Ufal coordena evento internacional que divulga ciência feita por mulheres

Soapbox Science Maceió 2020 será realizado em outubro e novembro em formato virtual
Por Thâmara Gonzaga – jornalista
17/09/2020 13h08

A programação e o formato foram adaptados, mas os principais objetivos do Soapbox Science Maceió 2020 estão garantidos: divulgar para o público as pesquisas científicas feitas por mulheres e estimular meninas a se engajarem mais na ciência.

Por causa da pandemia, o evento internacional, que começou no Reino Unido e tem se espalhado por vários países, será realizado de forma virtual, numa linguagem acessível e interessante para todos os públicos. Pela primeira vez em Maceió, a edição conta com a organização da Ufal.

A partir do dia 2 de outubro, terão início as webconferências com pesquisadoras de diversas instituições brasileiras, a exemplo das Federais de Alagoas, da Bahia (UFBA), de Pernambuco (UFPE), de Mato Grosso (UFMT), do Paraná (UFPR) e do Centro Universitário Tiradentes (Unit-AL). Já nos dias 21 e 22 de novembro, serão realizadas palestras e um minicurso sobre como fazer divulgação científica. Os horários ainda serão confirmados.

A programação poderá ser acompanhada pelo Instagram @soapboxsciencemaceio, YouTube e site. Nesses mesmos locais, também é possível conferir as atualizações sobre o evento.

“As atividades estarão disponíveis para todos. Em breve, divulgaremos como se inscrever em algumas delas para obter certificado. Teremos palestrantes falando sobre pesquisa em diversas áreas bastante interessantes, como vacina, câncer, sustentabilidade, neurociência, publicidade e questões de gênero”, destaca a docente e pesquisadora do Instituto de Física (IF) da Ufal, Fernanda Matias, uma das organizadoras.

Ela conta que toda equipe está bastante animada com a perspectiva de fazer o evento de maneira virtual e poder alcançar pessoas fora do estado de Alagoas. “Os objetivos do evento continuam sendo a popularização da ciência, da carreira acadêmica e a promoção de mulheres na ciência. Algumas participantes que não poderiam vir, caso o financiamento das agências de fomento e patrocinadores não fosse suficiente, poderão participar do formato on-line”, diz.

Além de Fernanda, Maria Socorro Pereira (IF), Juliana Theodoro de Lima (Instituto de Matemática - IM), Cintya D'Angeles de Barbosa (Instituto de Química e Biotecnologia - IQB), Andrea Pacheco de Mesquita (Faculdade de Serviço Social - FSSO) e Elton Malta Nascimento (IF) também estão na organização.

Novidades

Diante dos desafios de adaptar a programação, Fernanda destaca que a maior novidade do Soapbox Science Maceió 2020 foi a decisão de produzir conteúdo de divulgação científica que poderá ser usado nas escolas e na própria universidade.

“Isso é um ganho em relação a proposta inicial presencial. Se esta ideia se mostrar tão produtiva quanto imaginamos, ela poderá ser implementada nas próximas edições do evento mesmo que presencial. Assim, as pesquisadoras participantes podem contribuir com professores que buscam ensinar a estudantes sobre temas atuais de pesquisa, como, por exemplo, reciclagem, vacinas, atividade cerebral, cana-de-açúcar, representatividade feminina, numa linguagem acessível e que aproxime a sociedade do trabalho realizado nas universidades”, afirma.

Lidando com as dificuldades ocasionadas pela falta de investimento em pesquisas, ela ressalta que é fundamental entender desde cedo o papel da ciência no dia a dia para defender os investimentos em pesquisa e valorizar a carreira de pesquisador. “Além disso, esperamos fortalecer a imagem de que ciência também é feita por mulheres e incentivar mais meninas a seguirem carreiras acadêmicas, contribuindo assim para diminuir vieses implícitos e desigualdades de gênero na nossa sociedade”, defende.