Ufal ganha reforço na produção de protetores faciais com mais impressoras 3D

Máquinas cedidas pelo Sebrae vão auxiliar a produzir equipamentos de proteção para profissionais da saúde
Por: Thâmara Gonzaga – jornalista - 30/03/2020 às 16h18 - Atualizado em 03/04/2020 às 16h50
context/imageCaption

Apoio das impressoras digitais será de grande auxílio no combate à Covid-19

Mais quatro impressoras 3D vão reforçar o trabalho dos pesquisadores da Ufal na produção de protetores faciais que serão destinados aos profissionais de saúde que atuam nos atendimentos a pacientes com covid-19. A pedido do reitor Josealdo Tonholo, o presidente do Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae, José da Silva Nogueira Filho, autorizou a cessão temporária dos equipamentos e do respectivo material de consumo que os acompanham.

As impressoras cedidas serão instaladas no Laboratório de Computação Científica e Visualização (LCCV) da Universidade. “O apoio do Sebrae será de grande auxílio nessa união de esforços em combate à covid-19”, declarou Tonholo.

Eduardo Florêncio, doutorando pela Ufal e com pesquisas no LCCV, afirma que, nesse primeiro momento, as impressoras serão utilizadas para produção de escudos faciais, mas há a perspectiva de produzir outros equipamentos de proteção individual (EPIs). “Produtos estão sendo desenvolvidos e testados, uma vez que há uma demanda por outros itens, como máscaras N95, respiradores e válvulas”, informa.

Ainda de acordo com o pesquisador, a expectativa da equipe é instalar cerca de dez máquinas na central de manufatura aditiva que está sendo montada no LCCV. “Desejamos alcançar uma produtividade de 60 a 80 máscaras por dia”, detalha. O controle de qualidade e o processo de distribuição dos produtos também são pontos considerados. “Concentrando tudo em um só local e contando com equipamentos com tecnologia equivalente, conseguiremos um maior controle de qualidade e facilitando a logística de distribuição”, destaca.

Ele afirma que as impressoras do Sebrae aumentarão o poder de produção da central que, atualmente, concentra as impressoras locais e do Fablab [Laboratório de Fabricação Digital] da Universidade. “É de suma importância a cessão dessas máquinas para auxiliar em uma causa tão nobre, em um momento tão crítico. Essa iniciativa ajudará na proteção dos nossos profissionais e também no tratamento dos pacientes”, reconhece.

Empréstimo de Impressoras

O Sebrae emprestou as quatro impressoras 3D que estão alocadas no LCCV e que estão fazendo parte da impressão das máscaras. A Aloo telecom e a Algás cederam os insumos para fabricação de 2500 máscaras. A Ufal ainda conta com a acessória técnica na certificação das máscaras por profissionais do HU e da Santa Casa. Foi estabelecida uma parceria para fornecimento de algumas máscaras neste curso de capacitação (veja imagem abaixo) que é coordenado pelo professor Cláudio Soriano.