Crianças e jovens em vulnerabilidade social vão praticar esportes na Ufal

Programas Segundo Tempo e Esporte sem Fronteiras atenderão um total de 2.100 estudantes da Universidade e de escolas públicas
Por Thâmara Gonzaga - jornalista
19/11/2020 09h51
context/imageCaption

Professora Leonéa Santiago, diretora do Iefe, e Pedro Balikian, gerente de Esporte da Proest

Unir educação e esporte para promover conhecimento e possibilidades para mudança de vida. As instalações dos campi da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), além do ensino e da pesquisa, também serão utilizadas para que estudantes universitários, adolescentes e crianças em situação de vulnerabilidade social tenham a oportunidade de praticar diferentes modalidades esportivas.

A iniciativa surge de uma parceria entre o Instituto de Educação Física e Esporte (Iefe) da Ufal e a Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social (Snelis), gerenciada por Fabíola Pulga Molina, do Ministério da Cidadania. As vagas para a prática das atividades serão abertas por meio de três programas: Segundo Tempo Universitário, Segundo Tempo Padrão (promovidos pela Snelis) e Esporte sem Fronteiras, esse último criado e proposto pelo Iefe.

“Formar parcerias com diferentes órgãos, institutos e áreas do conhecimento tem sido uma prática constante do Iefe. Desse modo, acreditamos na cooperação em busca de possibilidades de ofertas dos diferentes saberes para a população carente”, destacou a diretora do Instituto, Leonéa Santiago.

De acordo com o gerente de Esporte da Pró-reitoria Estudantil (Proest), Pedro Balikian, essas três parcerias já estão consolidadas e, no total, 2.100 crianças, adolescentes e jovens universitários serão beneficiados. A expectativa é iniciar as atividades em fevereiro de 2021, após liberação do uso dos espaços por causa da pandemia.

“Essas propostas colocam a Ufal numa condição de vanguarda do cenário nacional. Programas esportivos que visam pessoas de maior vulnerabilidade social e as contemplam com uma vivência no ambiente universitário, associando a prática do esporte como uma ferramenta de inclusão social, mas também incentivando o conhecimento, ampliando as oportunidades para a vida”, destacou Balikian.

Mais sobre o Esporte sem Fronteiras

Já pensou aprender matemática, seus conceitos e cálculos, praticando futebol, natação ou atletismo? Essa é a proposta inovadora do Esporte sem Fronteiras, programa criado pelo Iefe, de forma associada com o Instituto de Matemática, com orientação do professor e diretor do IM, Isnaldo Barbosa.

A iniciativa vai juntar a prática esportiva e o ensino da disciplina com o objetivo de tirar o receio dos estudantes e mostrar como pode ser divertido aprender a matéria. Crianças e adolescentes da rede pública e em situação de vulnerabilidade social são o público-alvo.

“No contraturno escolar, terão acesso a diferentes modalidades esportivas junto ao desenvolvimento da linguagem da matemática”, explicou Balikian, acrescentando que o objetivo é estimular a aprendizagem de uma forma atrativa e prática, de maneira a despertar um novo interesse pela disciplina dos cálculos.

Programas Segundo Tempo

Destinado a estudantes da Ufal, o programa Segundo Tempo Universitário contemplará os participantes com material esportivo, além de bolsas para professores e graduandos dos cursos de educação física do Iefe. Por meio dessa iniciativa, serão beneficiados 900 universitários, sendo 300 vagas para cada campus: A.C. Simões, Arapiraca e do Sertão.

Já o Segundo Tempo Padrão atenderá crianças e adolescentes. A Ufal foi contemplada com cinco núcleos e cada um beneficiará 100 pessoas. Dois núcleos serão implantados no Campus Arapiraca e três no moderno Complexo Esportivo do Campus A.C. Simões, em Maceió, atendendo 300 crianças e jovens que moram no entorno da Universidade.

“O acesso a práticas esportivas será no contraturno escolar. Haverá várias opções: esportes com bola, raquetes, luta, atletismo e natação”, explicou o gerente.