Campus Sertão lança Revista de Ciências Humanas Caeté

Publicação será semestral e produções possuem viés arqueológico e interdisciplinar
context/imageCaption

(Fotos: Henrique Correia)

A Revista de Ciências Humanas Caeté criada pela coordenação do Núcleo de Pesquisa e Estudos Arqueológicos e Históricos (Nupeah), em parceria com o curso de História, da  Universidade Federal de Alagoas, Campus do Sertão, foi lançada no último dia 4, com a publicação do primeiro número do periódico, que terá edição semestral.

Integram a coordenação do referido Núcleo os professores Flávio Augusto de Aguiar Moraes e José Ivamilson da Silva Barbalho. A revista dispõe ainda de um conselho editorial e científico composto por professores da Ufal e de outras instituições de ensino superior do Brasil e do exterior.

A Caeté reúne resultados de diversas investigações científicas inéditas na área das Ciências Humanas - com foco em Arqueologia, Antropologia, Sociologia, História e Filosofia - de pesquisadores de instituições brasileiras e internacionais.

Segundo o coordenador Flávio Moraes, a publicação surgiu da necessidade de discutir e divulgar as pesquisas científicas desenvolvidas na Ufal Campus Sertão, assim como outros estudos realizados no âmbito nacional e internacional. “É uma revista que nasce em um Campus interiorizado, consolidando o papel e a importância dos Campus Universitários fora de sede, mostrando a relevância, possibilitando o diálogo com essa comunidade que até então não tinha condição de ir até as capitais fazer um curso superior. A Revista surge com muita força mesmo diante de um panorama desfavorável a educação e a ciência no país. A gente está trazendo para o Sertão essa dinâmica de discussão do meio científico e tornando a Ufal Campus Sertão uma referência nesse âmbito” esclarece.

O primeiro número do periódico envolve estudos históricos, arqueológicos e de áreas como antropologia, pedagogia, e filosofia.

Segundo o conselho editorial, a Caeté é uma produção que busca dar conta dos fenômenos sociais, antropológicos e culturais que acompanham as diversas áreas de investigação nas Ciências Humanas. “A Revista defende ser necessário instituir uma epistemologia ética, pluralista, tolerante, crítica e dialógica, capaz de abrir caminhos, desafiar situações e comprometer-se com a defesa da sociedade. Também, de modo particular, compreendemos que o debate interdisciplinar favorece a perspectiva de linguagens cognitivas, oferecendo suporte a novas produções. No rol dos investigadores desse primeiro exemplar há uma nítida relação entre o fazer científico e a responsabilidade dos mesmos em elaborar sua interpretação dos fenômenos que investigam” citam.

A revista pode ser acessada no link.