Instituto de Matemática avança na qualificação em educação básica


08/04/2011 10h37 - Atualizado em 13/08/2014 às 11h07
context/imageCaption

Para Amauri Barros, diretor do Instituto de Matemática, o Profmat é um sonho dos professores da área

Madalena Fernandes – estudante de Jornalismo

O Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (Profmat), que é uma das ações da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), agora complementa a área de foco do Instituto de Matemática da Universidade Federal de Alagoas, a educação.

“Esse Mestrado significa o sonho da comunidade de Matemática, em especial dos professores”, considera o diretor do Instituto de Matemática, Amauri Barros. O Mestrado Profissional é diferente do acadêmico. De acordo com o diretor, o curso pretende qualificar professores atuantes na rede pública de ensino básico e proporcionar uma formação de matemática aprofundada, visando mais competência para a área.

Para a qualificação, o IM recebeu 300 inscritos e disponibilizou 20 vagas, uma concorrência de 15 para uma vaga. A avaliação foi elaborada por uma comissão de rede nacional e continha 35 questões de múltipla escolha e três discursivas. “Em Maceió, a média dos candidatos foi acima da nossa expectativa, isso é um indicativo de que eles têm um bom conhecimento do conteúdo”, afirma o presidente da SBM, Hilário Alencar.

Um dos alunos aprovado no Mestrado, Tiago Marinho, formado em matemática na Ufal em 1999 e agora mestrando do Profmat, acreditava que não ia ser aprovado. “Eu achava que não ia passar, por ser um curso novo e pelo número de concorrentes. Juntei-me com um grupo para estudar e passamos todos”, comemora o também professor da Escola Estadual Rodriguêz Melo.

“Esse Mestrado mudou muito meus planos para esse ano, na verdade a minha vida. Sem contar que eu estava muito tempo estudando por conta própria, sem cobranças, por ser uma área que gosto, mas agora com o Mestrado já estou com horários agendados com o grupo para começar os estudos”, completa Tiago Marinho.

Como o Profmat é inteiramente financiado pela Capes, cada aluno recebe uma bolsa de R$ 1.200,00. Para garantir a bolsa, o mestrando deve assinar um termo se comprometendo a permanecer pelo menos cinco anos ministrando aulas na rede pública. “O nosso objetivo é que depois de formados eles sejam multiplicadores dos conhecimentos obtidos no curso”, explica Amauri Barros, salientando que, mesmo com a bolsa, os alunos não perdem o vínculo com a escola em que trabalha.

Em se tratando de formação, o professor contratado recentemente para o Profmat, Fernando Pereira, acredita que ela seja também uma troca de experiências para os docentes. “É uma oportunidade de rever e aplicar os conceitos que recebi na minha academia e um aprendizado novo, só que em sala de aula, entre alunos que também são professores”, assegura Fernando Pereira.

Sobre o Mestrado

O Profmat iniciou suas atividades no dia 2 de abril. O curso funciona na modalidade semipresencial, com aulas aos sábados, manhã e tarde, e ainda com atendimento on-line 24 horas, através da Plataforma Moodle e do auxilio de tutores. Os alunos recebem gratuitamente os materiais impresso e digital, além de terem acesso às vídeo-aulas, com duração de 30 meses. Para receber o título de Mestre o aluno precisa apresentar uma dissertação e também elaborar um produto educacional.

O presidente da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), Hilário Alencar, assim como os professores do IM já pensam em ampliação. “Como o exame nacional de acesso ao Profmat ocorrerá a cada ano, esperamos já em 2012 ampliar o número de instituições associadas, bem como o número de vagas”, antecipa.

Leia também: Primeiro mestrado a distância foca professor da rede pública