Candidatos autodeclarados negros ou indígenas devem agendar validação

Ufal está realizando oficinas de capacitação para participantes das bancas de validação do Sisu
Por: Lenilda Luna - jornalista - 15/04/2019 às 11h15 - Atualizado em 15/04/2019 às 14h23
context/imageCaption

Ufal vai realizar primeira banca de validação étnico-racial

O processo de seleção do Sisu 2019 na Ufal será o primeiro em que os estudantes inscritos por cotas vão passar pelas bancas de validação. A convocação dos selecionados foi publicada na última sexta-feira (12), no site da Copeve. Quem não comparecer nos dias, locais e horários definidos no Edital para entrevista com a banca de validação da autodeclaração étnico racial, será considerado desistente, sendo convocado o candidato seguinte no processo classificatório.

Os procedimentos de validação serão realizados por membros da Comissão de Heteroidentificação da Ufal, tomando como referência o fenótipo dos candidatos, como características físicas, predominantemente, a cor da pele, a textura do cabelo, o formato do rosto entre outros aspectos que combinadas ou não, permitam que seja socialmente reconhecido como uma pessoa negra, além de sua história social e cultural.

É necessário realizar o agendamento para a avaliação, a partir da próxima quarta-feira (17), às 16h, até o dia 21, no site da Copeve, seguindo um cronograma disponível na convocatória

Clique aqui para saber mais.

Do total de 4.498 vagas oferecidas nos 90 cursos de graduação presenciais da Ufal, foram selecionados nas inscrições por cotas 2.298 candidatos para os cursos do Campus A. C. Simões, Ceca e Espaço Cultural; 272 candidatos para o Campus Arapiraca; e 106 candidatos para o Campus Sertão, entre titulares e suplentes. Devem passar pelas bancas de validação os que se declararam negros ou indígenas. As bancas serão realizadas em Maceió, Arapiraca e Delmiro Gouveia entre os dias 22 e 26 deste mês.

Na Universidade Federal de Alagoas o Programa de Políticas de Ações Afirmativas entrou em vigor em 2004 com o primeiro processo seletivo em 2005. Durante os últimos anos, essa política foi aperfeiçoada e ampliada. Atualmente, pelo sistema de cotas da Ufal, concorrem os candidatos que estudaram durante todo o ensino médio em escola pública. São destinadas 50% das vagas para o candidato de família com renda per capita igual ou menor que um salário mínimo e meio bruto. A outra metade das vagas da reserva é independente de renda. Dentro desses dois grupos, são reservadas as vagas para negros (pretos e pardos) e indígenas.

Oficinas de capacitação para bancas

Nesta segunda-feira (15), foi iniciada a Oficina de Capacitação para a formação de integrantes das bancas de validação das autodeclarações étnico-raciais. Cerca de 40 pessoas inscreveram-se para para participar deste processo, coordenado pelo Núcleo do Estudos Afrobrasileiros (Neab) da Ufal, em parceria com a  Copeve, Prograd, Proest, Proex, Gabinete da Reitoria e das direções dos campi e de unidades acadêmicas. 

A Oficina está sendo ministrada pelo professor Adilson Pereira dos Santos, pedagogo, pró-reitor adjunto de Graduação da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) e pesquisador da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros e Negras (ABPN), com doutorado na linha de pesquisa sobre políticas de ações afirmativas. “Esta iniciativa é importante para garantir que haja justiça nas políticas afirmativas e que elas alcancem quem realmente está no perfil das cotas”, destacou o professor. 

A reitora Valéria Correia participou da abertura da oficina, saudando o professor, a comissão organizadora e os participantes. “Esse é mais um passo para garantir a efetividade das Políticas de Ações Afirmativas. Estamos consolidando um princípio importante de que a Universidade deve ser acessível a todo o povo alagoano e brasileiro. A Ufal é uma das poucas universidades a garantir as cotas inclusive na pós-graduação”, destacou a reitora.

As oficinas prosseguem até o dia 18 de abril e a participação na atividade é requisito para constituir as bancas de validação. “Depois das oficinas, faremos o cadastro para os componentes das bancas, que serão realizadas em três turnos. É um momento muito importante e sério para a política de cotas e contamos com a participação de pesquisadores, ativistas dos movimentos negros e pessoas que se interessam pela temática”, destacou Lígia Ferreira, coordenadora do Neab. 

O processo de cadastro para as bancas pode ser feito como inscrição no site da Copeve (http://www.copeve.ufal.br/sistema/) e os dados enviados para o email bancas.neabufal@gmail.com

 

Convocação para as bancas de validação