Graduada em Química pela Ufal assume cargo de professora no Ifal

Maria Célia Tavares, formada em Química no Campus Arapiraca, fez mestrado e doutorado na Universidade
Por: Pedro Ivon - estagiário de Jornalismo - 25/10/2019 às 07h15 - Atualizado em 24/10/2019 às 15h57

Milhares de alunos integram a Universidade Federal de Alagoas (Ufal), formando uma boa parte da comunidade acadêmica. De tempos em tempos os discentes terminam seus cursos e seguem suas vidas, realizando mestrado, doutorado ou mesmo partindo logo para o mercado de trabalho. Cada formando é, sem dúvidas, uma conquista para cada curso e para a universidade. Por vezes, esses formandos acabam retornando ao meio acadêmico, mas para lecionar.

Maria Célia Tavares, formada em Química Licenciatura pela Ufal, Campus Arapiraca, recentemente voltou à vida acadêmica de uma maneira diferente do doutorado: como professora do Instituto Federal de Alagoas (Ifal).

“A docência me escolheu lá nas séries iniciais do ensino fundamental, quando eu ajudava meus colegas com dificuldades em matemática. Assim, a minha decisão pela docência fluiu naturalmente”, disse a professora. A atual docente do Ifal ainda disse que “falar da minha trajetória até me tornar professora do Ifal é falar do poder da educação na transformação de vidas”.

Longa jornada na educação

Vindo de uma família simples, com subsistência baseada na agricultura, Maria, assim como tantos, estudou a vida inteira em escola pública e trabalhou para ajudar em casa, tendo poucas oportunidades. Foi com o término do Ensino Médio que sua jornada na Ufal teve início. Um ano após o seu ingresso na universidade, a aluna de Química conseguiu um intercâmbio na Universidade de Coimbra (UC), através do Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI), financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Mas Maria não parou por aí. Após o intercâmbio, retornou para o Brasil e continuou seu curso e participou de programas de Monitoria e Iniciação Científica. Em 2016, após formada, foi a vez de ingressar no Mestrado em Química da Ufal, como bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Segundo a atual professora do Ifal, sua passagem pela Ufal e pela UC foram “experiências que me fizeram crescer humana e profissionalmente”.

Após toda essa jornada, foi a vez de trocar de lado e atuar lecionando. Maria foi aprovada no concurso da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), passando a exercer o cargo de professora de Química de nível médio. Em 2018 foi a vez de iniciar o doutorado, também na Ufal, através do Programa de Pós-graduação em Química e Biotecnologia (PPGQB), onde tem desenvolvido uma pesquisa com o apoio da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), da Capes e da CNPq.

Agora, ainda como doutoranda, Maria conseguiu passar no concurso para trabalhar no Ifal. “A aprovação no concurso do Ifal foi uma das melhores realizações profissionais, pois os IFs, assim como as UFs, reúnem o tripé da educação: ensino, pesquisa e extensão, com um mar de possibilidades”, explicou a professora, que continuou dizendo que “além disso, essa aprovação representa um bom fruto do meu esforço pessoal, do apoio dos meus familiares e mais uma oportunidade de continuar a dar um retorno à sociedade”.

De acordo com a docente, a profissão do professor é belíssima, cheia de desafios e que deveria ser mais valorizada e respeitada. “A todos, o meu muito obrigada! Às outras “Marias”: estudem! Sonhem alto e lutem por seus objetivos”, declarou Maria.