Ufal intensifica a cooperação internacional em ensino e pesquisa

Investir na mobilidade internacional abre novas fronteiras para a comunidade universitária

03/09/2014 11h18 - Atualizado em 03/09/2014 às 19h45
context/imageCaption

O reitor Eurico Lôbo e a coordenadora Sandra Nunes

Lenilda Luna - jornalista 

No final de agosto, a Universidade Federal de Alagoas firmou mais um acordo de cooperação internacional, desta vez com a Sapienza Universitá di Roma. "É uma universidade tradicional, com ótima qualidade de ensino e que tem um programa de destaque em internacionalização da educação. O Acordo geral de cooperação envolve as áreas acadêmica, cultural e de pesquisa científica", informa o reitor Eurico Lôbo. 

Ainda em agosto, durante o Encontro de Reitores Cuba-Brasil, realizado em São Paulo, o reitor firmou acordos de cooperação internacional com três universidades cubanas. De acordo com Sandra Nunes, coordenadora de projetos especiais da Assessoria de Intercâmbio Internacional, a meta é intensificar cada vez mais acordos como esses. "A Ufal definiu no Plano de Desenvolvimento Institucional que a internacionalização é um dos três grandes eixos, para contribuir com mais oportunidades de formação científica e acadêmica dos alunos, pesquisadores e técnicos", destaca a coordenadora.

Atualmente, a Ufal participa de programas de intercâmbio como o Ciência Sem Fronteiras, do Governo Federal, que foi um grande impulso da internacionalização, principalmente para a graduação. Também são mantidos convênios com o programa Universia/ Santander Universidades, e ainda outros acordos de mobilidade e cooperação científica feitos diretamente com as universidades de outros países. "Temos cerca de 60 convênios firmados, em 21 países da Europa, Ásia, América do Norte e América Latina", informa Sandra Nunes. 

O crescimento desse intercâmbio internacional foi registrado principalmente nesses últimos cinco anos. "Em 2009, tínhamos 27 convênios internacionais firmados pela Ufal. Em 2014, mais que dobramos esses acordos internacionais e ainda temos de oito a dez convênios em avaliação, que devem ser firmados até o final do ano, com outras instituições estrangeiras. Ou seja, é um grande investimento para que estudantes, professores e técnicos da Ufal tenham oportunidades de capacitação em outros países. É uma experiência importante para a formação acadêmica e para abrir os horizontes pessoais também", afirma a coordenadora de projetos da ASI. 

As bolsas de intercâmbio internacional para estudantes da graduação também cresceram muito nos últimos anos, acompanhando os novos acordos de cooperação com universidades estrangeiras. "Em 2009, 18 estudantes de graduação eram mantidos no exterior com bolsas de estudo. Em 2013, fechamos ao ano com duzentas bolsas. Até o final do ano, teremos um aumento nesse número de alunos com bolsas de estudo para mobilidade estudantil em outros países", destaca Sandra Nunes. 

Para mais informações sobre os programas de cooperação internacional, consulte a ASI. Já para saber mais sobre a Sapienza Università di Roma, consulte o site.