Ufal e Fundação Palmares fecham parceria em projeto de Preservação Cultural

Projeto prevê criação de roteiro turístico e fomento artístico-cultural em União dos Palmares

27/02/2014 14h30 - Atualizado em 14/08/2014 às 10h29
context/imageCaption

Vice-reitora Rachel Rocha, Valmir Pedrosa e representantes da Fundação Cultural Palmares durante reunião

Déborah Moraes – estudante de Jornalismo

A primeira reunião entre representantes da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e da Fundação Cultural Palmares vai resultar em parceria para implantação de projeto que visa à preservação cultural em União dos Palmares. O encontro aconteceu esta semana, com a reitora em exercício, Rachel Rocha.

A iniciativa trazida pela Fundação Palmares prevê a criação de um projeto de articulação e melhor aproveitamento do Parque Memorial Quilombo dos Palmares (PMQP), bem como toda a região da Serra da Barriga e da comunidade quilombola de Muquém.  A intenção é envolver a cidade de União dos Palmares e seus habitantes com capacitações e ações educativas ambientais e patrimoniais, de fomento cultural e incentivo turístico para maior valorização da localidade que é um marco na história do Brasil.

Na reunião, foram definidas as primeiras diretrizes do projeto que deverá ser elaborado pela Fundação e a Universidade, depois de firmado termo de parceria, cuja iniciativa será de relevância para o Estado de Alagoas. Participaram das discussões o pró-reitor de Gestão Institucional, Valmir Pedrosa, o representante nacional da Fundação Cultural Palmares, Alexandro Reis, o diretor do Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro e a representante da Fundação no Nordeste, Maria José da Silva.

Para Alexandre Reis, essa iniciativa deveria ter acontecido há muito tempo. “Já passou da hora de a Serra da Barriga, o Quilombo dos Palmares deixar de ser lembrado apenas nas comemorações do Dia da Consciência Negra. E mais: é necessário que toda essa região tenha e estrutura necessária para desenvolver todo seu potencial turístico”, afirmou.

Complementando a fala do colega de Fundação, Maria José da Silva fez questão de ressaltar também o papel social que este projeto terá na valorização e nas oportunidades para os jovens da região. “Quando você vai até o Muquém [comunidade quilombola], ou mesmo na cidade, em União dos Palmares, os jovens não têm muita perspectiva para o futuro. A ampliação do Parque Memorial, a criação de um roteiro turístico e de lugares para apreciação das tradições artísticas, culturais, gastronômicas deles mesmos, com a devida capacitação, que o próprio projeto prevê é fundamental para eles”, destacou.

O próximo passo será a formação de uma equipe multidisciplinar formada por professores da Ufal e profissionais da Fundação para a elaboração do plano de trabalho, o que deverá ser definido na próxima reunião, agendada para a segunda quinzena de março. O projeto terá financiamento do Ministério da Cultura (Minc), com recursos do Fundo Nacional da Cultura (FNC), e deve ser implantado ainda em 2014.

Rachel Rocha fez questão de tranquilizar os representantes da Fundação e ressaltou a importância de iniciativas como essa. “Nós temos muitos professores que já trabalham com a temática e que podem realmente contribuir para elaboração do projeto, com oficinas, consultorias e pesquisas. Na verdade este é um projeto que permite desdobramentos diversos e nós ficamos muito felizes de participar. É nossa obrigação na verdade”, concluiu.

A Fundação Cultural Palmares 

Fundada em agosto de 1988, pelo então presidente da república José Sarney, é a primeira instituição pública federal voltada para promoção e preservação da arte e da cultura afro-brasileira. Vinculada ao Ministério da Cultura (Minc), trabalha por uma política cultural igualitária e inclusiva que busca contribuir para a valorização das manifestações culturais e artísticas negras brasileiras como patrimônios nacionais. Conheça mais aqui.