Grupo de pesquisa da Ufal recebeu Selo de Direitos Humanos da Pessoa Idosa

Homenagem do Movimento Vidas Idosas Importam é o reconhecimento do trabalho do GPMI
Por Izadora Gacía – relações públicas
12/11/2021 15h32 - Atualizado em 12/11/2021 às 15h35
context/imageCaption

Professora Elizabeth Moura recebendo o certificado

O Grupo de Pesquisa Multiprofissional sobre Idosos (GPMI) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) foi reconhecido com o Selo de Direitos Humanos da Pessoa Idosa pelo Movimento Vidas Idosas Importam. A homenagem aconteceu no último sábado (6) e, na ocasião, voluntários do grupo também receberam o Certificado de Ativistas da Pessoa Idosa.

O reconhecimento aconteceu pelas importantes ações que o GPMI vem desenvolvendo desde 2014, com ênfase na pesquisa e no cuidado integral às pessoas idosas, em parceria com a Universidade Aberta à Terceira Idade (Unati). “Cada reconhecimento nos deixa mais motivados e comprometidos com a causa do envelhecimento. Para nós, essa homenagem é importante porque evidencia o nosso trabalho”, explicou Elizabeth Moura, coordenadora do projeto.

Selo de Direitos Humanos da Pessoa Idosa

O Selo Direitos Humanos da Pessoa Idosa é um reconhecimento social do Movimento Nacional Vidas Idosas Importam. Ele é destinado a ativistas, especialistas, pesquisadores, instituições e municípios, pelos serviços prestados à causa das pessoas idosas e pelo acolhimento e valorização das múltiplas facetas do processo de envelhecimento.