Reunião com coordenadores de cursos debate Enade 2019

Encontro serviu para alinhar ações entre a instituição e as coordenações dos cursos avaliados
Por: Janaina Alves – relações públicas - 05/07/2019 às 12h37 - Atualizado em 11/07/2019 às 09h47
context/imageCaption

Jusciney Carvalho, procuradora Institucional da Ufal

A Procuradoria Educacional Institucional (PEI) da Ufal realizou, na manhã da última quinta-feira (4), uma reunião com os coordenadores dos cursos convocados para participar do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) 2019. O objetivo foi discutir pontos específicos do edital lançado pelo Ministério da Educação (MEC), no que diz respeito a inscrição dos ingressantes. Este ano, o exame acontece no dia 24 de novembro e contempla os cursos das áreas de Engenharias, Ciências Agrárias e Ciências da Saúde. Na Ufal, 23 cursos serão avaliados no ciclo. Para saber quais cursos foram contemplados, clique aqui.

O Enade é um exame avaliativo que conta com a participação dos estudantes, mas que também conta com a participação dos coordenadores de cursos, atuando no cadastramento dos alunos que atendem aos requisitos definidos pelo MEC, por meio do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Devem ser inscritos no sistema do Enade uma amostra dos alunos ingressantes e os concluintes, sendo que apenas esses últimos são obrigados a fazer a prova. Para tanto, devem ter mais de 80% da carga horária do curso integralizada. Aqueles que tiverem dúvidas sobre o seu enquadramento devem procurar a coordenação para se informar, uma vez que o Enade é componente curricular obrigatório e requisito para a colação de grau.

De acordo com a procuradora institucional da Ufal, Jusciney Carvalho, os estudantes convocados precisam se preparar para participar do exame. “Ler o edital para se informar sobre suas responsabilidades no exame, acessar o ambiente virtual do Inep, checar provas e questões anteriores, tirar suas dúvidas junto à coordenação do curso, além de responder ao questionário do estudante, que aponta a percepção sobre as condições de oferta do curso”, explicou. 

Segundo orientações passadas na reunião, os coordenadores têm a atribuição de identificar os alunos aptos a realizar a avaliação. “A coordenação inscreve, a PEI monitora as inscrições para que os alunos tenham também tempo para acessar o sistema, atualizar seus dados e indicar o local de prova, que deve ser no mesmo município que estuda, além de indicar se precisa de algum atendimento especializado”, completou Jusciney.

Importância da avaliação

O Enade é o exame que avalia a qualidade dos cursos superiores por meio da aferição do rendimento dos concluintes da graduação, tendo como eixos avaliativos os componentes curriculares obrigatórios, habilidades e competências adquiridas e o questionário do estudante.

Ainda de acordo com Jusciney Carvalho, é por meio do Enade que o MEC define o Conceito Preliminar de Curso (CPC), popularmente conhecido como a nota que recebe do ministério, numa escala de 1 a 5, sendo necessário um desempenho de ‘satisfatório’ a ‘excelente’ para a manutenção das atividades do curso.

Junto com a avaliação feita sobre os cursos de pós-graduação, o Enade compõe o Índice Geral dos Cursos (IGC), que mede a qualidade da instituição de ensino superior. É por meio desses resultados que a Ufal propõe melhorias nos cursos e define as políticas institucionais de qualidade de ensino. “A PI, junto com a Pró-reitoria de Graduação (Prograd), a Comissão Própria de Avaliação (CPA) e as coordenações dos cursos tem feito algumas ações estratégicas, tendo o Enade como uma avaliação externa de extrema importância, não só porque gera o IGC, mas porque por meio dele passamos a conhecer o desempenho dos nossos estudantes”, afirmou a procuradora Institucional.

Com isso, a Ufal tem desenvolvido atividades que envolvam pensar a avaliação dos componentes curriculares, por meio de seminários, por exemplo. O Enade serve também de parâmetro para a atualização e melhoria dos Projetos Pedagógicos dos Cursos (PPCs), além de ter sido uma ferramenta para definição de metas de elevação de CPC dos cursos em função de resultados anteriores,  já incluídas no novo Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), para o quinquênio 2019-2023.