Teoria do Design Inteligente é tema de debate sobre a origem da vida

Nova teoria é defendida pelo pesquisador e bioquímico da Unicamp Marcos Nogueira Eberlin e se contrapõe a Teoria da Evolução de Darwin
19/11/2014 às 16h26
context/imageCaption

Marcos Eberlin fala sobre a Teoria do Design Inteligente

Diana Monteiro - jornalista

A polêmica existente sobre a origem da vida está longe de acabar. Ao contrário, passa a ganhar novo corpo com a Teoria do Design Inteligente (TDI) que conta com a adesão de cientistas de vários países. No Brasil, uma das referências científicas é o pesquisador e professor Marcos Nogueira Eberlin, que esteve, na manhã desta quarta-feira (19), na Universidade Federal de Alagoas debatendo com a comunidade acadêmica, dentro do projeto Ufal Debate Grandes Temas.

Ao proferir palestra sobre A informação bioquímica e suas implicações sobre a origem da vida, Marcos Eberlin disse que a nova teoria se opõe à Teoria Evolucionista de Darwin e reforçou que a nossa ancestralidade com chimpanzés continua sem comprovação. “Os chimpanzés têm 24 pares de cromossomos, enquanto nós, humanos, temos 23 pares,  e não existem cicatrizes dessa ancestralidade entre um e outro”, afirmou.

Marcos Eberlin informou que os estudos apontam que, além da matéria e energia, a vida depende de um terceiro elemento essencial, a informação. Segundo ele, a informação não existe sem uma mente inteligente. Nesse contexto, ele destaca a informação bioquímica da vida como prova irrefutável. “O melhor código está dentro de nós, o DNA que rege a vida. As moléculas da vida falam e não mentem; e falam por meio da informação bioquímica”, disse o cientista, destacando a importância da Química e da Biologia para a evolução dos estudos científicos.

O pesquisador enfatizou que há uma resistência da academia para a nova teoria ainda pouco conhecida. Esse novo paradigma para explicação da origem da vida, segundo Marcos Eberlin, conta atualmente com mais de mil cientistas dissidentes da Teoria Evolucionista de Darwin.

Marcos Eberlin foi o convidado do Programa Ufal Debate Grandes Temas, coordenado pela Pró-reitoria de Extensão (Proex). Ele é autor de mais de seiscentos artigos publicados em periódicos científicos e com cerca de 10 mil citações nas áreas de química e bioquímica.  Coordena um dos maiores grupos de pesquisas do país e preside a Sociedade Internacional de Espectrometria de Massas (IMSF) e a Sociedade Brasileira (BRMASS).