Crianças com deficiência mental conhecem Museu Théo Brandão


30/03/2009 10h33 - Atualizado em 13/08/2014 às 00h37
context/imageCaption

Crianças participam de oficina de forró

Jacqueline Batista - assessoria de imprensa do MTB

O projeto “Todos os sentidos: arte e inclusão” do Museu Théo Brandão recebeu nesta segunda-feira, 30, pacientes com deficiência mental do Centro de Atenção Psicossocial. O Centro realiza atendimento clínico em crianças e adolescentes, através de profissionais de enfermagem, psicologia e  psiquiatria.

As crianças, entre sete e treze anos, conheceram o acervo do Museu e, depois, fizeram uma oficina de forró com o facilitador Israel Souza.

De acordo com Mariana Assunção, psicóloga do Capsi, a visita ao Museu atende ao objetivo de ressocialização dos pacientes. “Principalmente para eles, que são excluídos da sociedade e, às vezes, da própria família, é muito importante o contato com outras pessoas e lugares. É um passeio terapêutico”, explicou a psicóloga.

Para Assunção, a oficina de forró é outro componente estimulante na terapia dos pacientes. “Eles saem da rotina. Voltam contando novidades”, disse.

O Museu Théo Brandão desenvolve o projeto “Todos os sentidos: arte e inclusão” desde julho do ano passado. Através dele, várias instituições que trabalham com portadores de diversas deficiências já visitaram o Museu, além de participarem de oficinas de arte e de dança. As aulas são oferecidas gratuitamente por artistas da terra.

O projeto “Todos os sentidos: Arte e inclusão” foi tema de uma reportagem especial publicada pelas jornalistas Alessandra Vieira e Jacqueline Batista em “O Jornal”, a qual foi premiada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), obtendo o segundo lugar nacional.