Ufal e universidade alemã vão desenvolver pesquisa climática no Sudão

Projeto coordenado pelo Lapis-Ufal por meio do professor Humberto Barbosa fará estudos em regiões de seca extrema
Por Ascom Ufal
22/06/2022 13h23

A experiência do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites da Ufal (Lapis) no monitoramento de secas gerou uma parceria de pesquisa com a University of Cologne, na Alemanha, uma das mais tradicionais universidades europeias.

Será iniciado o projeto de pesquisa Extreme Sudan Climate (XSUDE Proposal), coordenado pelo professor Humberto Barbosa, fundador do Lapis, em parceria com o Geographical Institute e a colaboração de bolsistas de doutorado e pós-doutorado.

Trata-se de um projeto de apoio institucional e capacitação para estudos climáticos extremos, nas regiões áridas e semiáridas do Sudão (Sahel), altamente suscetíveis às secas extremas, em função da mudança climática.

De acordo com Barbosa, o objetivo da proposta é “gerar novos insights científicos relacionados às mudanças projetadas na seca, extraindo informações de dados de satélite globais de última geração, que contribuam para melhorar os sistemas de alerta e medidas de adaptação à mudança climática no Sudão”.

O projeto acaba de ser aprovado com financiamento europeu, que inclui a organização de eventos, missões e outras atividades de pesquisa. A equipe fará uso de tecnologia de Sensoriamento Remoto/Sistema de Informação Geográfica (GIS), para instalação de sistemas aperfeiçoados de alerta precoce de seca. Uma das ações previstas é a instalação do Sistema EUMETCast, a tecnologia descentralizada para recepção de dados de satélites, usada pelo Lapis, bem como a capacitação de usuários para sua operação.

A plataforma EUMETCast, instalada no Lapis, desde 2017, tem como objetivo fornecer de forma livre e/ou com baixo custo, uma vasta gama de dados ambientais. Os dados são obtidos e gerados por diversas instituições colaboradoras. O acesso livre às imagens do Meteosat-11 e Sentinel-2B, por exemplo, é parte da proposta do XSUDE.

“Com uma simples antena para receber os sinais dos satélites utilizados para essa plataforma e um microcomputador com software livre, o usuário – desde sua casa, da escola ou de uma empresa - poderá obter as informações ambientais e meteorológicas que desejar”, explica o coordenador.

Mais informações sobre o EUMETCast, podem ser encontradas na homepage