Pesquisa sobre impacto do óleo no litoral é divulgada em revista internacional

Trabalho teve a participação de Mariana Estevo, mestra em Diversidade Biológica e Conservação pela Ufal
Por Lenilda Luna - jornalista
23/08/2021 17h47 - Atualizado em 24/08/2021 às 12h10

Uma pesquisa sobre as consequências do derramamento de óleo na Área de Proteção Ambiental (APA) Costa dos Corais, no litoral norte de Alagoas, recebeu destaque na conceituada revista científica internacional, Marine Pollution Bulletin. O trabalho foi desenvolvido com a participação de uma estudante do mestrado, um doutorando, três professores do Programa de Pós-graduação em Diversidade Biológica e Conservação da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), um da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e outro da Universidade Autônoma de Barcelona (Espanha); e dois membros da comunidade de pescadores.

Os dados para a pesquisa foram levantados com comunidades de pescadores artesanais e demonstram o forte impacto socioeconômico imediato, desde que as primeiras manchas começaram a aparecer na costa brasileira, em agosto de 2019. “Este trabalho foi finalizado em janeiro de 2020, meses antes da pandemia da covid-19 mudar nossas vidas”, narrou Mariana Estevo, que liderou a equipe, com a orientação do professor João Vitor Campos-Silva. 

Mariana Estevo é agora mestra em Diversidade Biológica e faz parte do Laboratório de Conservação do Século XXI (Lacos 21). Essa situação dramática que atingiu as comunidades da região litorânea, chamou a atenção da pesquisadora. “Essas comunidades ainda estavam tentando se recuperar dos impactos causados pelo derramamento do óleo e foram novamente surpreendidos pela pandemia da covid-19, que aprofundou a vulnerabilidade social e econômica a qual estão submetidos esses homens e essas mulheres”, ressaltou Mariana.

Os pesquisadores entrevistaram 381 pescadores e marisqueiras dos municípios de Paripueira e da Barra de Santo Antônio, no Estado de Alagoas. “As vendas dos pescados caíram em mais de 50% naquele período, prejudicando a economia local, a segurança alimentar e o sustento das famílias. Também foram relatados problemas de saúde devido ao contato do óleo com a pele. Muitos sofreram com vômitos e doenças de pele”, contou a pesquisadora.

Nas conclusões do trabalho, os pesquisadores, que formaram uma equipe multidisciplinar para abordar vários aspectos, argumentam sobre a necessidade da intervenção do poder público. “São necessárias ações governamentais para mitigar os impactos sociais e econômicos que a tragédia ambiental gerou e ainda gera a essas comunidades de pescadores e marisqueiras artesanais”, destacaram.

Segundo Mariana Estevo, o trabalho que deu origem à publicação foi feito por muitas mãos e em algumas etapas. “Como entrevistas nas colônias de pescadores e marisqueiras, além de análise de dados do banco de dados do Programa Ecológico de Longa Duração da Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais Alagoas, o que torna este trabalho tão rico. Foi uma grande experiência conhecer e conviver com essas comunidades tradicionais”, relatou.

A publicação do trabalho na Marine Pollution Bulletin foi bastante comemorada. “É uma revista reconhecida internacionalmente por publicar trabalhos de grande relevância. Ficamos extremamente felizes por podermos levar essa pesquisa ao conhecimento de todos, ressaltando a necessidade urgente de elaboração de estratégias de mitigação que possam garantir uma melhor qualidade de vida para essas comunidades tradicionais, que desempenham um importante papel para a manutenção do ambiente costeiro equilibrado”, finalizou Mariana Estevo.