Ufal assina convênio para desenvolver monitoramento no Velho Chico

Momento será virtual, na próxima quarta-feira, às 10h, e o foco são biomonitoramento e monitoramento da água na Região do Baixo São Francisco
Por Diana Monteiro – jornalista
23/07/2021 19h13 - Atualizado em 23/07/2021 às 20h02

Um convênio será assinado na quarta-feira (28), às 10h, entre a Universidade Federal de Alagoas, o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CHBSF) e a Agência Peixe Vivo, [de gestão de bacias hidrográficas]. O objetivo é garantir cinco anos de estudos de biomonitoramento e monitoramento aquático na Região do Baixo São Francisco, contemplando municípios ribeirinhos dos estados de Alagoas e Sergipe. Para essas ações, serão investidos recursos da ordem de R$ 2,3 milhões, oriundos do Comitê do São Francisco.

O acordo inclui várias atividades, incluindo trabalhos conjuntos na bacia hidrográfica em estudo, e pretende fornecer dados e informações em tempo real para ações de fortalecimento naquela região.

A assinatura do Acordo de Cooperação Técnica será de forma virtual e contará com a participação do reitor Josealdo Tonholo; do presidente do Comitê, Anivaldo Miranda, da diretora-geral da Peixe Vivo, Célia Froes; e do coordenador do projeto, Emerson Soares, professor do Campus de Engenharias e Ciências Agrárias (Ceca) e coordenador das expedições científicas no São Francisco.

Os trabalhos começam em outubro deste ano e vão acontecer até 2025, mas o convênio terá vigência até 2026. Segundo o professor Emerson, o Programa de Biomonitoramento é fruto das expedições científicas, realizadas anualmente, cujos estudos realizados, a cada edição, apontaram a necessidade de se ter um programa contínuo: “Vimos que há a necessidade de se fazer monitoramento da qualidade de água e de peixe, da atividade pesqueira, do desmatamento na região da caatinga. E, ainda, desenvolver ações de educação ambiental, plantio da vegetação ciliar, alimentação do Sistema Siga do Comitê do São Francisco e modelagens de dados ecossistêmicos. O rio será monitorado a cada dois meses e montaremos um programa de biomonitoramento aquático no Baixo São Francisco”, enfatizou.

Soares complementa dizendo que: “Com o Acordo de Cooperação Técnica firmado, a Ufal e o CHBSF concretizarão um programa completo para atender políticas públicas e gestores sobre a situação da região contemplada, como também, informações para reforçar o papel ambiental do rio para todos os municípios do Baixo São Francisco”.