Parceria entre Ufal e Casal monitora covid-19 e sistema de esgotamento sanitário

Trabalho da Ufal com a Casal pode servir de alerta precoce para o surgimento de novos casos da doença e subsidiar estratégias de enfrentamento das autoridades de saúde
Por Ascom Ufal
22/10/2021 14h43 - Atualizado em 22/10/2021 às 14h45
context/imageCaption

Visitas da CASAL, UFAL e BRK nos pontos de monitoramento da covid-19

Um ano após a parceria iniciada em setembro de 2020, as novas iniciativas entre a Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) e a Universidade Federal de Alagoas (Ufal) produzem respostas que ajudam no acompanhamento da covid-19 e na aplicação de soluções voltadas a perdas dos sistemas de abastecimento de água na capital e no interior.

Um dos objetivos da parceria é o acompanhamento da covid-19, que visa, além de verificar a presença ou ausência do vírus no sistema de esgotamento sanitário, analisar quantitativamente o material genético viral presente nas amostras, o que pode servir como um alerta precoce para o surgimento de novos casos de covid-19, permitindo também subsidiar as estratégias de enfrentamento das autoridades de saúde. Essa metodologia vem sendo aplicada em diversas capitais pelo Brasil.

A professora Daysy Cavalcanti explica que a partir de maio deste ano foi dado um enfoque geográfico na representação dos dados coletados com a inserção dos mapeamentos realizados pelo Grupo de Trabalho de Monitoramento Espacial da covid-19 do Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente (Igdema) da Ufal, sob coordenação do geógrafo Esdras Andrade. “Este acompanhamento consiste na elaboração de uma série de mapas semanais representando as informações contidas no painel interativo mantido pela Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), as quais são distribuídas espacialmente nos 50 bairros da capital do estado”, disse.

Com o suporte espacial no trabalho da parceria foram definidos pontos de coleta por meio da realização de reuniões virtuais com as equipes técnicas da Casal, da Ufal e da BRK, considerando que os locais de coleta deveriam ter uma distribuição espacial que contemplassem as sub-bacias das regiões alta, central e baixa de Maceió. Isso levando em conta os bairros com maior número de casos de covid-19 apontados pela Seplag. “Foram realizadas visitas técnicas no emissário submarino de Maceió, onde estiveram presentes os engenheiros Júlio Balbino e Valeska Cavalcante (Casal), o geógrafo Esdras Andrade e as professoras da Ufal, Nélia Callado e Daysy Lira, além de representantes da BRK, para a apreciação dos pontos selecionados para planejar o roteiro das coletas”, explicou a professora.

Em relação aos sistemas de abastecimento, a Casal vem mantendo o monitoramento e as ações para redução de perdas ao longo da atual rede de distribuição de água na capital e no interior. Wanderson da Silva, que exerce a função de supervisor de Gestão de Perdas na Casal e é autor do Programa Sigmetro Integrado na Gestão por Monitoramento Eletrônico, Telemetria de Radiofrequências e Telecomando Operacional, vem participando de diversas atividades para divulgar o trabalho da Casal e da Ufal.

Dentre as iniciativas realizadas pelas instituições estão palestras pelos canais da internet, palestras para alunos da Ufal, além de visitas técnicas com alunos e professores do Centro de Tecnologia da Ufal (Ctec) e estagiários das duas instituições. Também estão sendo realizadas reuniões on-line e presenciais, visitas técnicas e a elaboração de trabalhos acadêmicos (seminários, TCCs, dissertações).

As duas instituições já possuem um vasto histórico de atividades em conjunto, como a participação da professora Nélia Callado como superintendente de Desenvolvimento Organizacional da Casal de 2007 a 2011; Planejamento Estratégico da Casal, em 2011; Contrato de demanda entre Casal e Ufal que regulamenta o fornecimento de água, em 2015; entre diversas outras parcerias .