Ufal participa de pesquisa nacional sobre saúde mental da Enfermagem

Estudo avaliará o impacto emocional causado na rotina de trabalho no contexto  da covid -19
Por Diana Monteiro - jornalista
06/05/2020 13h54 - Atualizado em 06/05/2020 às 16h17
context/imageCaption

Professora Verônica de Medeiros, da Escola de Enfermagem

A professora Verônica de Medeiros Alves da Escola de Enfermagem (Eenf), da Universidade Federal de Alagoas, integra a equipe nacional de dez instituições de ensino superior responsável pela pesquisa de avaliação da saúde mental de profissionais da citada área que vêm atuando diretamente no enfrentamento à pandemia no país.

Denominada de Saúde mental dos profissionais de Enfermagem no Brasil no contexto da covid - 19, o estudo conta com docentes representantes das cinco regiões do Brasil com vasta experiência na área em foco, o que, segundo os pesquisadores, fortalece a sua abrangência, coleta e análise de dados e divulgação dos resultados em termos de perspectivas municipais e regionais.

A pesquisa é coordenada pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP) e além da Ufal,  tem a participação da  Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e das universidades federais de São Carlos (UFSCar), do Amapá (Unifap), do Rio Grande do Sul (UFRGS), do Mato Grosso (UFMT), do Mato Grosso do Sul ( UFMS), do Pará (UFPA) e da Bahia (UFBA).

São objetivos da pesquisa: analisar aspectos da saúde mental dos profissionais (enfermeiros, técnicos e auxiliares); de obstetriz (parteira) atuando em serviços de saúde (assistência ou gestão), ensino, pesquisa (qualquer nível), ou sem atuação no momento. Ainda, identificar as estratégias de enfrentamento utilizadas pelos profissionais no contexto da pandemia pelo coronavírus.

Verônica é doutora em Saúde Mental e  sobre o estudo específico destaca: “O grupo de saúde partiu da hipótese de que a saúde mental dos profissionais de enfermagem no país esteja sendo impactada e, a exemplos de estudos internacionais, o enfrentamento da pandemia por eles também poderá afetar a estimativa de anos de vida saudáveis, em virtude das incapacidades geradas pelas condições mentais dessa categoria no contexto brasileiro”.

Na rotina de trabalho, no desafiante contexto atual,  os profissionais de enfermagem estão na linha de frente e expostos aos riscos de contaminação ao cuidar de pessoas suspeitas ou contaminadas com o coronavírus. Essa realidade pode ter um efeito emocional considerado preocupante, daí a importância de cuidar da saúde mental. Além da necessidade da análise desse aspecto o estudo proposto também objetiva identificar estratégias de enfrentamento e as que vêm sendo utilizadas no cotidiano profissional.

Verônica diz que cada pesquisador parceiro terá a função de participar da divulgação dos formulários nas mídias sociais por meio da técnica Bola de Neve, de  analisar os resultados obtidos em cada região do país, além de contribuir na análise e divulgação dos resultados em congressos, revistas científicas e meios de comunicação. “Com os resultados da pesquisa será possível conduzir propostas de intervenções com vistas a proteger e promover a saúde mental e prevenir agravos à saúde desse grupo”, enfatiza.

Para saber mais sobre o projeto acesse os perfis nas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.