Importância da Ufal e experiência do novo reitor são destacadas por convidados

Representantes de instituições de ensino, de entidades, além de parlamentares alagoanos, também falaram sobre a importância do momento para a defesa da democracia e da autonomia universitária
Por Thâmara Gonzaga – jornalista e Janyelle Vieira – estudante de Jornalismo
30/01/2020 15h53 - Atualizado em 03/09/2020 às 10h44
context/imageCaption

Solenidade contou com a presença de representantes de instituições alagoanas de ensino superior e dos Poderes Legislativo e Judiciário de Alagoas (Fotos: Renner Boldrino)

A solenidade de transmissão de cargo ao novo reitor da Ufal, Josealdo Tonholo, e à vice Eliane Cavalcanti, realizada na tarde dessa quarta-feira (29), contou com a presença de representantes de instituições alagoanas de ensino superior, de segmentos de servidores, estudantes, órgãos colegiados e dos Poderes Legislativo e Judiciário de Alagoas. Em suas falas, destacaram a importância da Ufal para a sociedade alagoana, a trajetória profissional e a experiência do novo gestor da Universidade.

Esse momento é uma alegria para todos nós da comunidade acadêmica”, afirmou o reitor do Instituto Federal de Alagoas (Ifal), Carlos Guedes. “O professor Josealdo Tonholo é uma referência enquanto servidor, pesquisador. É uma unanimidade entre nós servidores que o admiramos por todo trabalho, dedicação e experiência que ele tem. Ele mereceu esse reconhecimento por tudo que desenvolveu aqui na Universidade”, destacou. O diretor de Gabinete do Ifal, Zoroastro Neto, lembrou a relação de parceria entre as instituições, “não só nos projetos de pesquisa, mas também nas ações relacionadas ao ensino, à extensão e também a alguns eventos. Tonholo vem justamente para reforçar essa intersecção com os demais segmentos”. A pró-reitora de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação do Instituto, professora Eunice Palmeira, também esteve presente na cerimônia.

Para Mara Ribeiro, pró-reitora de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), a cerimônia “é uma afirmação da democracia e da autonomia universitária, porque tínhamos o medo de que esse dia poderia não acontecer”. Ela ainda ressaltou o fato de a Ufal ser “a maior representante em Alagoas na área de pesquisa” e defendeu o estabelecimento de mais parcerias com a Uncisal. “Cada vez mais, temos que estimular essas parcerias para o desenvolvimento local, regional e nacional, porque a gente tem muita potencialidade e a Ufal tem feito pesquisas de ponta com impacto nacional”, disse.

Representando a Universidade Tiradentes (Unit - Alagoas), o pró-reitor de Graduação, Cristiano Montenegro, afirmou que prestigiar a transmissão de cargo ao reitor Tonholo é “valorizar a Universidade, reconhecendo a importância da instituição para o desenvolvimento educacional, cultural, social e econômico do estado de Alagoas”.

O vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB – Alagoas), Vagner Paes, também esteve presente na cerimônia. Para ele, participar de um momento como esse é importante “por tudo o que a Ufal representa pra sociedade, sendo um grande centro de formação que ajuda a construir o futuro do estado de Alagoas”, disse Paes que é egresso dos cursos de graduação e mestrado. “Aqui é uma casa para mim”, acrescentou.

Defendendo a articulação institucional, o diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), Fábio Guedes, ressaltou que “a importância desse momento é grande, pois a Ufal dá uma demonstração para o Brasil inteiro de um processo democrático, limpo, de consulta à comunidade acadêmica, no qual foi respeitada a nomeação do próximo gestor”. Ele também frisou a “transição tranquila” e o fortalecimento da parceria entre a Ufal e a Fapeal. “Tem tudo para estreitar ainda mais essa parceria. O estado é uma fonte muito grande de demandas e a Universidade tem a oferta de pesquisa, conhecimento e de capacitação. Então, estamos preparados para continuar esse diálogo”, afirmou.

Também destacando as parcerias com a Ufal, Anivaldo Miranda, presidente da Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), declarou que esse “é um momento essencial, sobretudo, para as relações da Universidade com os segmentos da sociedade civil, cultura, gestão pública e, no nosso caso, das águas. O Comitê já tem a Universidade Federal como parceira em muitas ações, sobretudo, com a Unidade Penedo que está em uma cidade ribeirinha e tudo isso nos induz a imaginar que as expectativas para uma parceria ainda maior serão realizadas”. E completou: “Esperamos que a Ufal participe desse grande esforço para juntar as inteligências da bacia e todo um programa de pesquisa e extensão que beneficiem as águas do Velho Chico. Para nós, é uma honra participar desse evento e renovar nosso desejo de uma intensa colaboração entre o Comitê e a Ufal”.

Apoio do Legislativo Alagoano

A cerimônia de transmissão de cargo também foi prestigiada por parlamentares alagoanos. O senador por Alagoas, Rodrigo Cunha, esteve presente na cerimônia e reforçou a relevância da autonomia universitária. “Faço questão de registrar a importância desse momento, em que a vontade democrática foi respeitada. Tivemos a votação e aprovação do Tonholo como sendo representante de Alagoas para ficar à frente da Ufal, isso foi respeitado e hoje é um momento para ser comemorado”, disse.

Cunha também destacou a experiência profissional de Josealdo Tonholo. “Nosso magnífico reitor conhece, como poucos, a Universidade por dentro. Já exerceu muitos cargos de gestão, é um excelente técnico, administrador, tendo em vista que já fez parte da área administrativa”. Para o senador, a “expectativa é que, com todo esse conteúdo, bagagem e um bom grupo que ele já montou, [o novo reitor] possa dar o retorno que a sociedade espera: uma Universidade cada vez mais forte, uma proximidade com outros segmentos, como é o segmento político”. Ele também se comprometeu em cooperar para a defesa da educação. “Há uma necessidade cada vez mais de estar vigilante para não haver nenhum tipo de retrocesso ao que se refere aos investimentos na educação. Da minha parte, pode ter certeza que eu estarei sempre de portas abertas para somar com essa gestão”.

O deputado estadual e presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa de Alagoas, Marcelo  Beltrão,  afirmou que “esse é um momento da consolidação de um evento democrático, uma eleição na qual sai um vencedor, o professor Tonholo. Estamos aqui para dar o apoio e se colocar totalmente à disposição, parabenizar e desejar que sua gestão seja voltada exatamente para atender os anseios da comunidade universitária e, sobretudo, para fornecer à sociedade alagoana profissionais que já vêm sendo formados há bastante tempo e que a gente possa imprimir cada vez mais qualidade”, defendeu o parlamentar.

A deputada estadual Jó Pereira e o deputado federal Severino Pessoa também estiveram presentes na solenidade.

Entidades representativas de servidores e estudantes presentes na cerimônia

Responsáveis pela organização do processo de consulta à comunidade acadêmica para o cargo de reitor, representantes das entidades de docentes, estudantes e servidores reforçaram o papel da autonomia universitária e falaram sobre as expectativas para a nova gestão.

A nomeação e a posse do reitor representa uma vitória acadêmica. Ele passou por um processo eleitoral organizado pela Adufal [Associação dos Docentes da Ufal], Sintufal [Sindicato dos Trabalhadores da Ufal] e DCE [Diretório Central dos Estudantes], a nomeação representa a vitória dessa autonomia universitária administrativa e pedagógica”, explicou o presidente da Adufal, Jailton Lira. “A gente espera que a gestão se paute pelo diálogo, pela relação respeitosa institucional com os sindicatos e que possamos resolver os nossos conflitos de maneira dialogada, pacífica, sem necessidade de radicalismo, nem sectarismo”, defendeu. E acrescentou: “A nossa expectativa é a maior possível para que ele faça uma gestão equilibrada. A Ufal é a única Universidade do estado que faz pesquisa de ponta, então, a gente imagina que fortalecer a Ufal também é fortalecer o estado”.

De acordo com o servidor aposentado da Ufal, Paulo Omena, representando a Associação dos Trabalhadores da Universidade Federal de Alagoas (Atufal), “pelo momento político que nós estamos vivendo, o professor Tonholo surge como uma esperança, não só para técnicos, mas para professores e alunos, de que exista uma renovação, uma volta ao progresso que essa Universidade tanto precisa”. Ele torce para que “surjam novas perspectivas para que nossa Ufal continue um centro de pesquisa, de educação e ajude o crescimento do nosso Estado”. O técnico-administrativo José Marcos Gomes, do Sintufal, torce “para que o novo reitor venha lutar em prol do servidor e dos sindicalizados”.

Já o coordenador-geral do DCE, Alex dos Santos, salientou “o momento político bastante conturbado” e prometeu batalhar por melhorias para os estudantes. Daqui para frente, segundo ele, “a gente tem diversos problemas que vão ser pautados, paulatinamente, em conjunto com a diretoria, Proest, Prograd. O DCE afirma o objetivo dele de lutar, junto a essas novas coordenações e pró-reitorias, não só pela manutenção dos avanços, como o fim da contrapartida laboral e aquela política de trabalho do estudante, mas continuar avançando, mesmo no cenário de crise que a gente vem enfrentando”. O coordenador afirmou também que o Diretório “vai trabalhar na perspectiva de aumentar os benefícios que a gente foi conseguindo ao longo do tempo, tentar sanar e corrigir algumas deficiências que ainda encontramos na assistência estudantil aqui na Ufal”.