Ufal é conceito 4 também na Educação a Distância

EAD repete feito da avaliação institucional e é nota 4, em uma escala de 1 a 5
Por: Izadora García - relações públicas - 31/08/2019 às 11h30 - Atualizado em 02/09/2019 às 13h06

Mais uma notícia boa para a nossa comunidade universitária: seguindo o feito da avaliação institucional para a oferta de cursos presenciais, a Educação a Distância (EaD) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) conseguiu conceito 4 na avaliação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em uma escala de 1 a 5. O conceito é considerado muito bom, segundo os parâmetros adotados pelo Ministério da Educação (MEC).

Esta foi a primeira vez que a EaD da Ufal recebeu avaliadores externos. A visita aconteceu entre os dias 20 e 24 deste mês e, no período, eles puderam conhecer as instalações físicas e laboratórios, analisar a documentação institucional dos últimos 5 anos e dialogar com dirigentes, estudantes, técnicos e docentes.

Internamente, o processo foi conduzido pela Comissão Interna de Recredenciamento EaD, composta pela Pró-reitoria de Gestão Institucional (Proginst), pela Procuradoria Educacional Institucional (PEI), pela Coordenadoria Institucional de Educação a Distância (Cied) e por representantes da Comissão Própria de Avaliação (CPA).

Na avaliação, foram considerados os seguintes aspectos: Planejamento e Avaliação Institucional (conceito 3,80); Desenvolvimento Institucional (conceito 5); Políticas Acadêmicas (conceito 4,42); Políticas de Gestão (4,25); e Infraestrutura (3,22).

Dos 50 indicadores avaliados, a Ufal obteve 22 conceitos 5 (excelência); 13 conceitos 4 (muito bom); 7 conceitos 3 (satisfatório) e 8 conceitos 2 (insatisfatório), sendo estes últimos ligados a questões de infraestrutura, especialmente no que diz respeito à acessibilidade. Ainda assim, a comissão registrou avanços institucionais na análise qualitativa desse eixo. 

“A comissão entendeu que a Instituição de Ensino Superior (IES) é, de forma geral, bem estruturada: possuímos boas instalações administrativas, espaços de convivência e alimentação são adequados, temos bons laboratórios e bibliotecas. A principal questão dos conceitos insatisfatórios foi relacionada à acessibilidade. Entretanto, essas adaptações poderão ser feitas, principalmente porque no nosso PDI aprovamos um plano de acessibilidade”, explicou Jusciney Carvalho, procuradora educacional institucional e membro da CPA.

“Inclusive, esse reconhecimento da Comissão do Inep é relevante, considerando as inúmeras limitações e desafios impostos pelos contingenciamentos que a Ufal e demais universidades federais vêm enfrentando no período atual. É sempre bom lembrarmos que esse ato regulatório é de extrema relevância, especialmente porque, ao conquistarmos o conceito 4, apresentamos para comunidade interna e externa à  Ufal, todo o nosso esforço empreendido ao longo desses anos, à frente da administração central, sem distinção na modalidade dos cursos ofertados”, acrescentou.

A procuradora ressaltou ainda que o resultado é fruto de um trabalho sério, dedicado e colaborativo das pró-reitorias e assessorias e do Gabinete da Reitoria, que concedeu apoio e autonomia às equipes da Cied e da PEI.

O coordenador da Cied, Diego Souza, comemorou o resultado e avaliou a importância do resultado em um contexto no qual as universidades sofrem pela falta de investimentos. “Em um momento histórico de grande dificuldade para a Universidade Pública, esse resultado é ainda mais representativo. Acredito na defesa da educação pública porque sei a diferença que ela faz na vida de pessoas que crescem privadas de serviços básicos.  Bons resultados nas avaliações burocráticas não são suficientes para a defesa de nossas instituições, mas sem eles, certamente, estaremos mais susceptíveis aos pseudoargumentos dos quais se valem aqueles que querem desmontar a educação pública. Sigamos fortes! Parabéns a todos!", comemorou.

A reitora da Ufal, Valéria Correia, também comentou o feito e destacou a importância do trabalho em equipe e da participação expressiva das coordenações dos cursos, dos tutores, dos estudantes, dos professores e dos técnicos administrativos. “A EaD é um marco na democratização do ensino, quando feita com seriedade e qualidade. Estou muito orgulhosa desse resultado, em especial, porque eu já fui acusada de querer acabar com a EaD na Universidade Federal de Alagoas. Esse é mais um feito, mais um legado que deixamos aqui: uma Educação a Distância feita com qualidade e à serviço do povo alagoano”, finalizou.