Forproex encerra com apresentações, discussões temáticas e visita técnica

O Fórum foi voltado para a articulação e reflexão sobre as políticas acadêmicas de extensão
Por: Jacqueline Batista – jornalista e Pei Shung Fon - estudante de Relações Públicas - 22/04/2019 às 11h44 - Atualizado em 22/04/2019 às 11h45
context/imageCaption

Participantes do Forproex em visita ao MTB

O 51º Encontro do Fórum de Pró-reitores de Extensão das Instituições Públicas de Ensino Superior da Região Nordeste (Forproex) chegou ao último dia, na última quarta-feira (17), com apresentações culturais, painéis e visita técnica ao Museu Théo Brandão. A programação foi realizada entre os dias 15 e 17 de abril na Universidade Federal de Alagoas. O evento é destinado a docentes e técnicos de instituições de ensino superior da região Nordeste que desenvolvem atividades de extensão. A organização é uma parceria entre a Ufal, as universidades estaduais de Alagoas (Uneal), de Ciências da Saúde em Alagoas (Uncisal) e o Instituto Federal de Alagoas (Ifal). 

No auditório da Reitoria, os grupos de extensão do Ifal realizaram a abertura do painel As diretrizes nacionais de extensão e experiências extensionistas em universidades públicas no estado de Alagoas, com os professores Altemir João Secco (Ifal), Carlindo de Lira Perreira (Uneal) e George Márcio da Costa e Souza (Uncisal). Em seguida, grupos temáticos discutiram sobre indicadores de extensão, financiamentos da política extensionista, curricularização da extensão e diretrizes nacionais de extensão.   

Já no período da tarde, os pró-reitores fizeram uma visita técnica ao Museu Théo Brandão. De maneira espontânea, o professor Etevaldo Almeida, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), declamou poesias, e a professora Tânia Andrade, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), interpretou um cântico em sânscrito. 

Os professores finalizaram a redação da carta do fórum, que será enviada à Comissão Nacional do Forproex. “O objetivo é comunicar o que foi discutido durante o fórum e realizar o encaminhamento para as ações das instituições de ensino superior para o próximo período”, explicou a pró-reitora de Extensão da Ufal, Joelma Albuquerque.

Em seguida, visitaram a exposição temporária Tecendo Sentidos: Fotografia e Experiência Etnográfica, guiados pelos monitores Augusto Ferreira e Felipe Cardoso. A museóloga Hildênia Oliveira apresentou aos visitantes o acervo áudio visual, documental e a reserva técnica do acervo tridimensional, demonstrando o trabalho que vem sendo desenvolvido nesses setores.

Na ocasião, houve uma homenagem ao professor Eduardo Lyra, que foi pró-reitor de Extensão. “A sua experiência como pró-reitor sempre foi na defesa de uma visão democrática na pró-reitoria e no fórum”, destacou a professora Joelma.

“Agradeço o gesto de carinho.  É muito bom ser lembrado. Para quem é da Extensão, é importante estar com os pés na realidade, mas nunca perder a utopia. Temos muito caminho para trilhar”, disse o professor Eduardo.

A visita dos pró-reitores ao Museu foi finalizada com apresentação do grupo de cultura Abí Axé Egbé, um projeto de extensão acadêmica, coordenado pelo professor Gustavo Manoel Gomes, do curso de História, no Campus do Sertão.

A tarde foi marcada pela descontração dos participantes do fórum. “Achei fantástico terminar o fórum aqui. O museu é incrível, a começar pelo prédio. O acervo é maravilhoso e preservado. As salas bem planejadas. A equipe está de parabéns”, disse a pró-reitora Marilene Sabino, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

O fórum é voltado para a articulação e reflexão sobre as políticas acadêmicas de extensão, comprometido com a transformação social para o pleno exercício da cidadania e o fortalecimento da democracia. A entidade se baseia na dialogicidade e na reflexão crítica sobre as questões que envolvem a organização das políticas extensionistas nas diversas Instituições de Ensino Superior da Região Nordeste.