Confira os destaques do Relatório de Gestão 2018

Novo modelo, mais simplificado, apresentou resultados da Ufal para a sociedade alagoana
Por: Izadora García - relações públicas - 30/04/2019 às 08h59 - Atualizado em 30/04/2019 às 09h49

Agora, é possível acessar o Relatório de Gestão para o exercício Financeiro de 2018, aprovado no último mês pelo Conselho Universitário (Consuni) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Na ocasião, foram apresentados os resultados da Universidade durante o ano, além das mudanças na construção do balanço, agora mais simplificado e com foco na sociedade, seguindo orientações do Tribunal de Contas da União (TCU). O documento foi acatado pela maioria da plenária, contabilizando 39 votos favoráveis, 1 contrário e 1 abstenção.

Para a reitora, “o relatório é um importante instrumento de controle social que apresenta os avanços da Ufal no cumprimento de seus objetivos institucionais. Neste sentido, reafirma-se o compromisso da Gestão com o planejamento, em tempos de contingenciamentos e cortes; com a transparência no uso dos recursos públicos e nas suas ações; com a democracia, participação, liberdade de cátedra e de expressão; e com a defesa da educação superior pública e gratuita e do Estado democrático de direito.

Confira abaixo as principais ações da Universidade em 2018, destacadas por eixos:

Gestão acadêmica

A principal conquista no âmbito acadêmico e administrativo para a Ufal em 2018 foi, sem sombra de dúvidas, a obtenção do conceito 4, após sua primeira avaliação in loco pelo MEC/INEP. Também  foi possível ampliar o número de alunos diplomados na graduação, fator que atesta a eficácia da Universidade. Além disso, houve uma elevação no Conceito Preliminar dos Cursos (CPC) para a faixa contínua de 2.93. Esse é um indicador de qualidade na graduação. Ao alcançar a faixa 2.94, a Instituição será reconhecida com conceito 4 no Índice Geral de Curso (IGC).

Outro ponto abordado foi a promoção de ações institucionais periódicas no âmbito da graduação, como a realização do 1º Seminário de Monitoria (SIM/Ufal) e o Ufal de Portas Abertas, projeto que visa dar visibilidade aos cursos de graduação, por meio de visitas de estudantes do ensino médio aos espaços da Universidade. O evento reuniu aproximadamente 920 estudantes de escolas públicas e privadas.

Ainda durante o ano foi aprovada a Curricularização da Extensão, que passou a ser um componente da formação nos cursos de graduação; os Museus de História Natural (MHN) e Théo Brandão (MTB) passaram a funcionar aos finais de semana, com um aumento de 30.420 para 71.578.

No âmbito da pós-graduação também houve conquistas: três mestrados e dois doutorados, com início em 2019, foram aprovados; o Consuni aceitou a implementação de cotas raciais nos PPGs; e foi elaborado um Plano Institucional de Internacionalização nos programas.

Todos esses pontos permitiram que a Universidade ultrapassasse a meta estipulada pelo Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) vigente.

Gestão de planejamento e orçamento

Durante o ano passado, foram implementadas boas práticas de gestão, como a criação do Comitê de Governança, Gestão de Riscos e Controle. Apesar das restrições orçamentárias, que têm sido um fator permanente de preocupação da Gestão, obras e entregas de materiais continuam fazendo parte da rotina da instituição. De acordo com o pró-reitor de Gestão Institucional, Flávio Domingos, “a gestão orçamentária tem sido um desafio permanente, pois a expansão experimentada pelo conjunto da educação superior pública brasileira, enquanto direito social, ainda depende da consolidação e de mais investimentos pelo Governo Federal”, avaliou. Apesar do cenário, foram priorizadas as conclusões de obras importantes e a aquisição de equipamentos. 

Ao longo de 2018, a Ufal celebrou 45 novos contratos e renovou outros 55. Além disso, o tempo médio da operação dos pregões eletrônicos caiu de 37 para 15 dias, havendo uma eficiência de 73% da efetivação dos itens licitados. A Proginst também criou a Política de Planejamento Anual de Contratações e Aquisições, que visa dar transparência, mostrando por quem e por que determinados recursos foram utilizados, e a Política de Mensuração e Controle de Gastos.

Dentre as contratações, um dos destaques diz respeito à mão-de-obra para serviços de jardinagem e limpeza urbana. Para acompanhar os trabalhos da empresa, foi criado o GT Paisagismo, que busca possibilitar aos usuários da Ufal espaços de convivência mais agradável. Outro ponto trata da contratação de empresa para prestação de serviços de impressão e gráfica para a Edufal, além de contratações para prestação de serviços de manutenção predial e de pessoas jurídicas para execução de serviços de cozinha para servir aos três restaurantes universitários: Sertão, Arapiraca e A.C. Simões. 

Atendendo à Lei no 11.947/2009, em 2018 a Ufal realizou a 1ª Chamada Pública para Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar, contemplando o objetivo estratégico de contribuir para o desenvolvimento do Estado de Alagoas, fomentando a economia regional e garantindo alimentos de qualidade à comunidade da Ufal.

Também foram adquiridos equipamentos para os projetos Investigação de novas estratégias para o tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica: Estudos com Células Tronco e Modelos Animais e Estruturação e Implantação do Banco de Fezes no Hospital Universitário Alberto Antunes Para o Transplante de Microbiota Intestinal, por meio do Marco Legal, no total de R$ 1.159.309,77.

Ainda neste ano, a Universidade investiu R$34.532.997,47 em contratações e aquisições que se alinham ao objetivo estratégico de ampliação, adequação e racionalização da infraestrutura física e de equipamentos. Foram adquiridos 30 scanners para os setores da administração, a fim de garantir maior celeridade na digitalização dos processos; 100 projetores multimídia que atenderão blocos de salas de aulas da graduação e pós-graduação. Além disso, 815 computadores foram comprados e serão destinados para os setores administrativos das Unidades acadêmicas, para a administração central e para programas de pós-graduação.

Por meio da sua política de “nenhuma obra parada”, a Gestão tem priorizado a continuidade das construções. Com isso, finalizou em 2018: a sede de Comunicação Social (COS); a sede do Instituto de Ciências Sociais; a Unidade Docente Assistencial (UDA) que abrigará o 3º Centro de Saúde da Prefeitura de Maceió, em parceria com a Faculdade de Medicina; o bloco C da Famed; a sede da Escola Técnica de Artes; a primeira fase do Complexo Esportivo; o anexo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo; o bloco 7 do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde destinado à  Anatomia, totalizando um investimento de R$ 2.295.180,81.

Gestão de Pessoas e do Trabalho

No ano de 2018, foram capacitados 2.106 servidores, totalizando 194 a mais que em 2017. Também houve a efetivação de dois editais importantes: os de afastamento para qualificação docente com direito a substituto, garantido que os professores possam se afastar sem prejuízos de mais carga horária aos colegas; e os de remoção dos servidores técnicos e docentes. Até então, a universidade não dispunha de um instrumento oficial para regular a movimentação de servidores que passou a acontecer com mais transparência.

Houve a realização de quatro fóruns dos técnicos administrativos, implantando espaço de controle social e de diálogo com a categoria. Além do lançamento da primeira cartilha de prevenção e combate ao assédio moral na Universidade, que busca orientar os servidores como proceder nesses casos, a fim de promover a dignidade humana no trabalho.

Por meio da política de "nenhuma vaga a menos", a Gestão buscou realizar concursos para garantir que a universidade não ficasse com vagas ociosas, tanto para docentes quanto para técnico-administrativos. 

Políticas Estudantis

No âmbito das políticas estudantis em 2018, um dos principais destaques foi a reestruturação das condições de implementação do PNAES, com Regulamentação de Programas da Assistência Estudantil: PIASE, PAAPE, Cultura, Esporte. Além dos próprios órgãos de apoio acadêmico, como Restaurantes Universitários, Residência Universitária e Núcleo de Acessibilidade. Além disso, houve um considerável aumento do acesso de estudantes indígenas e quilombolas: de 117 estudantes indígenas para 138 e de 121 estudantes quilombolas para 183.

O funcionamento dos Restaurantes nos Campi do Sertão e Arapiraca é um marco no compromisso com a permanência dos estudantes nos campi  fora de sede. Em 2018, ampliou-se a produção de refeições em decorrência do compromisso de gestão do RU com melhorias no sistema de atendimento e qualidade da alimentação, com o consequente aumento na cobertura de estudantes com acesso ao Rus. Em 2017, foram ofertadas 569.772 refeições, sendo 494.977 no RU Campus A.C. Simões, 56.281 no RU Ceca e 18.514 no RU Viçosa. Este número foi ultrapassado em 2018 com a produção de 781.152, representando um crescimento de 37%.