Pai e filho participam de momentos importantes na história da Ufal

Instituição faz parte da vida de várias gerações há 59 anos
Por: Lenilda Luna - jornalista - 10/01/2020 às 08h20 - Atualizado em 10/01/2020 às 13h50
context/imageCaption

Abel e o filho Arthur são parte da comunidade universitária da Ufal

Abel Aurélio Duarte Filho é servidor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) há dez anos. Ele trabalha na Pró-reitoria de Gestão institucional (Proginst) no setor de cooperação técnica com instituições privadas e públicas. “Tenho muito orgulho de trabalhar numa instituição que sem dúvida é a mais importante para o estado de Alagoas, porque garante a disseminação de conhecimentos e o acesso a serviços fundamentais para a qualidade de vida da população”, destaca Abel. 

Formado em Administração, ele relata que é muito satisfatório saber que o seu trabalho garante parcerias que podem intervir positivamente na vida de muitas pessoas. “Busco fazer meu trabalho com responsabilidade e competência. Defendo a estabilidade do servidor justamente porque esse trabalho deve ter continuidade, transparência e não pode ser influenciado por interesses políticos momentâneos”, esclarece. 

Em 2019, a rotina de Abel na Universidade ficou ainda mais alegre. O filho dele passou no curso de Direito e eles começaram a vir juntos todos os dias. “Eu sempre disse a ele que um dia iríamos juntos para a Ufal. É muito bom ver isso se tornar realidade, estreita muito a nossa relação de pai e filho”, comemora o servidor. 

Arthur Barbosa de Moraes Duarte é o filho de Abel, que também fica muito satisfeito em se dirigir todos os dias para a Ufal na companhia do pai. “Ouço ele dizer isso desde quando eu era criança. Eu queria muito isso. A Ufal sempre foi minha grande opção para continuar os estudos aqui em Alagoas e depois desenvolver um trabalho no meu estado. Fiquei muito feliz quando o resultado da seleção foi de aprovação”, disse Arthur. 

O estudante de Direito também ressalta a importância da Universidade para a sociedade alagoana. “A Ufal realmente exercita o tripé de ensino, pesquisa e extensão. Basta saber que 90% da população alagoana não tem plano de saúde e o Hospital Universitário garante atendimento público gratuito e de qualidade para essas pessoas. E tem muito mais, vários exemplos de como os serviços oferecidos pela Ufal são fundamentais para o nosso povo”, declarou. 

Arthur contou que, quando chegou à Ufal, em maio do ano passado, o campus estava sob o impacto do anúncio de cortes orçamentários. “Já cheguei participando de uma grande assembleia que lotou o hall da reitoria. Foi um sentimento de pertencer a uma comunidade, de ser Ufal. Precisamos lutar para que a Universidade permaneça assim, pública, gratuita e aberta à todos, principalmente para os que mais precisam dela”, concluiu Arthur.