Ufal inicia 2ª Expedição Científica do Rio São Francisco

Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco é parceiro na jornada e participou da abertura oficial da expedição, em Penedo
Por Manoel Oliveira Jr. - enviado especial da Ascom Ufal
19/11/2019 08h42 - Atualizado em 19/11/2019 às 09h17
context/imageCaption

Equipe pronta para partir na expedição de dez dias. Foto: Edson Oliveira

Nesta segunda-feira (18), a Universidade Federal de Alagoas, em parceria com o Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF), deu início ao primeiro dia da 2ª Expedição Científica do Rio São Francisco. Esse ano, a expedição conta com cerca de 60 pesquisadores brasileiros e estrangeiros, até o dia 27 de novembro e é considerada a maior expedição científica já realizada nas águas do Velho Chico.

Na cerimônia de abertura, na cidade de Penedo, o coordenador da expedição, professor Emerson Soares, do Centro de Ciências Agrárias (Ceca) da Ufal, ressaltou a importância da colaboração do Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco para a viabilização da jornada. “Nós estamos levando conhecimento e, também, esperança. A esperança de que a ciência pode contribuir para a melhoria dos indicativos sociais, econômicos e ambientais das comunidades ribeirinhas das margens do Rio São Francisco”, disse o professor. O presidente do CBHSF, o ambientalista Anivaldo Miranda, também participou da abertura, e enfatizou: “O apoio financeiro do Comitê à expedição é oriundo de recursos próprios da instituição, a verba é proveniente dos tributos pagos pela utilização da água bruta do rio, arrecadada pela Agência Nacional de Águas”. A engenheira de pesca e chefe da Unidade de Desenvolvimento Territorial da Codevasf em Alagoas, Ana Helena Gomes, também participou da abertura, representando a respectiva instituição.

Durante toda tarde, os pesquisadores trabalharam intensamente em análises microscópicas de microparasitas de peixes recém-pescados do rio, além de testes com placas de energia solar. À noite, palestra com o ambientalista e membro do CBHSF, Jackson Borges, grande estudioso do rio, que, entre inúmeras histórias, contou sobre a construção do Museu do Rio São Francisco, na cidade de Traipu, e do enorme acervo que compõe o museu.

Acompanhe a expedição

Iniciando na cidade de Penedo, os pesquisadores percorrerão cerca de 500 km pelas águas do Rio São Francisco passando por Pão de Açúcar, Traipu, Igreja Nova, Porto Real do Colégio, Neópolis, Piaçabuçu, entre outras cidades da extensão do Rio São Francisco nos estados de Alagoas e Sergipe. São 28 áreas de pesquisa e cerca de 11 instituições que participam da expedição, entre elas, o Instituto Espanhol de Oceanografia, instituições de pesquisa e universidades brasileiras dos estados de Alagoas, Pernambuco, Sergipe, Ceará e Amazonas, Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF), Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf),  Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), Embrapa, Emater, entre outras instituições que colaboram nessa grande ação que envolve pesquisa, extensão, exposição de fotografias científicas, plantio de árvores nativas e uso de tecnologias de ponta para monitoramento socioambiental do rio.

A expedição pretende fazer um levantamento geral e análises específicas de poluentes, metais pesados, assoreamento, desmatamento, levantamento de dados com a utilização de drone, mapeamento de localização simultânea, batimetria e verificação da qualidade da água. Além da análise da ictiofauna e flora aquática. Também serão analisados os aspectos socioeconômicos da pesca artesanal e suas implicações na biota do rio.

Ao longo dos dez dias de expedição, você poderá conferir informativos diários em nosso portal, além de flashes na Rádio Ufal, podcasts para radio.ufal.br e Spotify, e também em nossas redes sociais.