Seminário sobre carências nutricionais na primeira infância acontece na Ufal

Apesar da baixa participação dos coordenadores dos municípios a equipe do evento avalia como positiva a ação
Por: Assessoria do evento - 07/11/2019 às 19h09
context/imageCaption

Evento debateu anemia como grave problema de saúde pública

Aconteceu ontem (6), no auditório Nabuco Lopes (Reitoria), o “I Seminário Estadual para enfrentamento das Carências Nutricionais na Primeira Infância”, que foi promovido pela Faculdade de Nutrição (Fanut) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).  Estiveram presentes no evento os coordenadores dos programas nacionais de enfrentamento de carências nutricionais como o Programa Nacional de Suplementação de Ferro (PNSF), Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A (PNVITA) e NutriSUS de municípios Alagoanos, professores Fanut/Ufale alunos do curso de nutrição de todas as faculdades de Maceió, além, da presença da consultora técnica da coordenação geral de promoção da atividade física e ações intersetoriais/departamento de promoção da saúde do Ministério da Saúde, Ludimyla Rodrigues.

O Seminário foi coordenado pela professora Ana Paula Clemente, da Fanut e contou com a colaboração das mestrandas do Programa de Pós-Graduação em Nutrição – PPGNUT/Ufal, Marília Mendes e Giovana Montemor, da auxiliar técnica Manuela Mafra e da equipe do Centro de Recuperação e Educação Nutricional (Cren). A motivação principal para a realização do evento foi divulgar os resultados do projeto “Avaliação da gestão e operacionalização dos Programas Nacionais de Suplementação de Ferro e de Vitamina A associados ao estado nutricional de crianças de 6 a 24 meses em municípios do estado de Alagoas”, financiado pelo CNPq o qual foi coordenado e executado pela mesma equipe que realizou este evento.

A professora Ana Paula Clemente explica a necessidade e a importância de um evento com essa temática “Identificamos a partir dos resultados do nosso estudo a necessidade da realização desse evento, uma vez que encontramos que a anemia ainda se configura como um grave problema de saúde pública, com elevada prevalência entre as crianças alagoanas menores de dois anos e em vulnerabilidade social, além da ausência de qualificação dos gestores municipais quanto à operacionalização do PNSF e PNVITA, o que acabou resultando na baixa adesão a esses programas nos municípios avaliados”, explicou a Professora.

O seminário contou com palestras, mesas-redondas, amostras de trabalhos, relatos de experiências, entre outras atividades, objetivando o fortalecimento das políticas de Alimentação e Nutrição no Estado de Alagoas, bem como a aproximação ensino-serviço. Apesar da baixa participação dos coordenadores dos municípios a equipe do evento avalia como positiva a ação e revela que uma nova edição, ainda sem data, já é certa que aconteça ano que vem.