Ufal sedia 5º Simpósio Nordestino de Pós-Graduação em Química e Biotecnologia

Objetivo do evento é promover a importância da ciência desenvolvida nas universidades
Por: Blenda Machado – estagiária de Jornalismo - 09/10/2019 às 15h21 - Atualizado em 10/10/2019 às 14h08
context/imageCaption

Simpósio de Química e Biotecnologia será realizado até esta sexta, 11 de outubro. Fotos: Blenda Machado

Nesta terça-feira (8), foi realizada a cerimônia de abertura do 5º Simpósio Nordestino de Pós-Graduação em Química e Biotecnologia, no auditório do Laboratório de Computação Científica e Visualização (LCCV) da Ufal. De acordo com a organização, o evento tem o objetivo de promover e divulgar a ciência de uma forma aplicada com o intuito de ampliar a perspectiva científica de cada profissional. O Simpósio prossegue até o dia 11 de outubro, contando com a presença dos professores de Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio de Janeiro. Confira toda a programação neste link.

A cerimônia contou com as presenças do pró-reitor de Pós-graduação e Pesquisa (Propep), Alejandro Frery; da diretora do Instituto de Química e Biotecnologia (IQB), Francine Santos; do coordenador do Programa de Pós-graduação em Química e Biotecnologia (PPGQB), Mário Meneghetti; da coordenadora do evento, Isis Figueiredo; do diretor executivo de Ciência e Tecnologia da Fapeal, João Vicente da Costa Lima; da presidente do Conselho Regional de Química (CRQ) 17ª Região, Maria de Fátima, e do representante discente do PPGQB, Walker Cordeiro. Eles compuseram a mesa de abertura e, tendo como tema Sem ciência não há futuro, debateram a situação problemática que a ciência se encontra no cenário brasileiro.

Dando continuidade, o professor e coordenador do PPGQB, Mário Meneghetti, fez uma homenagem à professora do IQB, Simoni Meneghetti e entregou a ela o Prêmio Roberto Alves de Lima. Ele conta que, a cada ano, um professor é escolhido para ser homenageado e, este ano, para sua honra foi escolhida sua esposa. Demonstrando a felicidade de participar desse momento, ele comenta como ‘‘foi gratificante procurar as fotos antigas desde quando ela era pequena, contactar pessoas que me mandaram algumas informações’’. E completa dizendo: ‘‘Ela sabia que eu iria fazer a apresentação, porém não sabia como seria. Acredito que ela gostou bastante, como eu também gostei de ter participado’’.

Para encerrar o primeiro dia do evento, foi realizada a palestra sobre Materiais multifuncionais para um mundo mais sustentável: fazer, conhecer e usar, pelo professor da Faculdade de Química da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Aldo José Zarbin. O docente defendeu que ‘‘a Universidade é um lugar onde a ciência deve ser discutida, encontrar formas diferentes de fazer o conhecimento avançar, com aplicações tecnológicas’’.

Zarbin também destacou que ‘‘a universidade pública é o motor de desenvolvimento social, econômico e político do país” e que os jovens são a força maior para a continuidade da ciência. “Precisamos de força de vontade para passar por esse momento tão difícil que estamos passando”, afirmou.

A estudante de química da Ufal, Maria Fortes, participa do evento como monitora e ressalta que “a ciência no Brasil tem que evoluir e todos esses simpósios que vêm acontecendo abrem as portas para que outras pessoas de outros estados possam vir e apresentar seus trabalhos’’.