Ufal comemora a redução do índice de evasão de estudantes de graduação

Medidas de apoio aos estudantes possibilitaram não só zerar a evasão como aumentar o número de estudantes
Por: Ascom Ufal - 18/10/2019 às 13h10 - Atualizado em 21/10/2019 às 09h01
context/imageCaption

Colação social em 2017 (arquivo Ascom)

Mais uma notícia importante para a Universidade Federal de Alagoas (Ufal), que indica a melhoria de qualidade do ensino nos cursos de graduação. Recentemente, uma notícia publicada em site de notícias destacou a Ufal como a universidade que mais reduziu a evasão, e, além disso, ganhou estudantes de 2017 para 2018. A informação foi confirmada pela reitora Valéria Correia durante a reunião do pleno da Associação Nacional de Dirigentes das Instituições Federais de Educação Superior (Andifes), nos dias 15 e 16 de outubro. 

Segundo as informações publicadas na matéria, o cálculo do Ministério da Educação (MEC) leva em conta os estudantes matriculados em 2018 em comparação com os de 2017. “São descontados os que entraram no 1º ano em 2018 e também os que se formaram em 2017. Alunos que trancaram a matrícula para continuar o curso mais tarde entram na estatística como evasão. Quando retornam ao curso, aparecem como melhora no desempenho”.

Com base nessa divulgação, a Procuradoria Educacional Institucional e as Pró-Reitorias de Graduação e de Gestão Institucional fizeram um estudo para verificar se essa redução é verificada nos dados da Universidade, a partir dos últimos dois relatórios consolidados do Censo da Educação Superior (Censup), disponibilizados no site institucional. “Os dados censitários anualmente são coletados e passam por auditoria externa supervisionada pelo Inep antes da divulgação final. O percentual de matriculados em 2018, em comparação a 2017, cresceu 22,7%”, confirma a procuradora educacional da Ufal.

Jusciney Carvalho detalhou ainda que, de acordo com os parâmetros do Censup, o número de matriculados, por semestre, é igual a soma dos estudantes cursando, mais os formados. “De fato, é verificável que nos relatórios consolidados, nos dois anos consecutivos, evidencia-se que o número de trancamentos reduziu bastante, de 10.686 (2017) para 1.142 (2018)”, informa a Procuradora Institucional Educacional da Ufal.

Sobre as intervenções institucionais

A partir da divulgação do Censo da Educação Superior no ano 2016, primeiro ano da gestão conduzida pela reitora Valéria Correia, algumas medidas foram adotadas pela Pró-Reitoria de Graduação, em colaboração com o Fórum de Coordenadores de Graduação, Departamento de Registro de Controle Acadêmico e Núcleo de Tecnologia da Informação. “Certamente foram medidas decisivas para essa mudança positiva que garantiu a redução dos índices de evasão da Ufal”, destaca Jusciney

Além da divulgação de novos editais de reopção e transferências externas, duas resoluções aprovadas pelo Conselho Universitário (Consuni), entre maio e dezembro de 2017, foram decisivas para que estudantes que estavam afastados dos cursos, pudessem ter uma oportunidade de retornar e regularizar algumas pendências para a conclusão de suas graduações. “Alguns desses estudantes precisavam apenas apresentar o Trabalho de Conclusão de Curso e foram convocados e orientados para isso, a partir das resoluções aprovadas pelos conselheiros”, relatou Sandra Paz, pró-reitora de Graduação.

Com efeito, o levantamento da Prograd constatou, por exemplo, um número de 3.669 estudantes com pendências, dos quais 583 integravam o Regime Acadêmico Anual, com pendências apenas no Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), 60 do Regime Anual e 605 do Regime Acadêmico Semestral.

Dentre os demais (3.004 estudantes), do Regime Acadêmico Semestral que deviam até 20% da carga horária das disciplinas e defesa do TCC, tiveram a concessão de um prazo de três semestres letivos para a conclusão do curso.

Sandra Paz enfatizou a importância do trabalho coletivo para garantir a integralização do curso para esses estudantes, que se afastaram por vários motivos e puderam aproveitar a nova oportunidade. “O processo, visando a regularização da vida acadêmica desse contingente de estudantes, teve o apoio e participação das coordenações de cursos, em todos os campi da Ufal. Um trabalho que culminou a aprovação de duas resoluções pelo Consuni”, relata A pró-reitora de Graduação.

As resoluções determinaram a definição de prazos e parâmetros, em caráter transitório, para a regularização da vida acadêmica de estudantes da Ufal em vias de desligamento. “Garantir a oportunidade de integralizar os cursos foi uma ação proativa de uma proposta de Universidade socialmente referenciada, que reforça as políticas educacionais inclusivas, oportunizando às pessoas o acesso ao conhecimento, além de contribuir com a melhoria educacional do estado de Alagoas, a partir da formação de quadros profissionais e intelectuais, inserção no mundo do trabalho, e o acesso para qualquer outro nível superior de formação”, Destacou Sandra Paz.

Além de permitir aos estudantes com pendência a integralização dos cursos, uma outra ação que tem impacto no aumento de matrículas é o projeto Ufal de Portas Abertas, que realizou recentemente a 2ª edição. “Convidar os estudantes do ensino médio a conhecer os cursos de graduação e uma forma de fazer com que eles se interessem ainda mais para o ingresso nesta que é a maior e mais reconhecida instituição federal de educação superior de Alagoas”, ressalta Sandra Paz.

Resolução nº 13 de 08 de maio de 2017.

Resolução nº 60 de 21 de dezembro de 2017.