Editoras universitárias lançam livros na Bienal de São Paulo

Os títulos são reedições da Coleção Nordestina e prestam homenagem póstuma ao educador Élcio Verçosa
Por Márcia Alencar – jornalista
02/08/2018 10h47 - Atualizado em 02/08/2018 às 22h02
context/imageCaption

Livros que serão lançados na Bienal de SP

A Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e a Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), por meio de suas editoras universitárias (Edufal e Eduneal), prestam homenagem ao professor e educador Élcio de Gusmão Verçosa (in memorian) com o lançamento da 6ª edição do livro Cultura e Educação nas Alagoas: História, histórias. A homenagem será nesta sexta-feira, 3 de agosto, a partir das 18h, no Estande da Associação Brasileira das Editoras Universitárias (Abeu), na 25ª Edição da Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que acontece de 3 a 12 de agosto, no Pavilhão do Anhembi.

Nessa noite também será lançado o título A Província: um estudo sobre a descentralização do Brasil, de Tavares Bastos. Os dois livros integram a Coleção Nordestina, criada em 1999, que reúne mais de cem títulos de personalidades e intelectuais nordestinos de todos os tempos e contempla a publicação anual das editoras das universidades brasileiras do Nordeste. O trabalho edita ou reedita obras representativas da produção intelectual da região, preferencialmente nas áreas de Literatura, Ciências Sociais, Antropologia e Folclore. O objetivo é constituir, no futuro, um repositório bibliográfico da Arte, da Cultura e da Ciência regionais, apto a preservar esse patrimônio e difundi-lo permanentemente, em âmbito nacional.

Na noite dos lançamentos na Bienal de São Paulo, devem estar presentes a diretora da Edufal, professora Lídia Ramires; a diretora da Eduneal, professora Sanadia Gama dos Santos e a viúva do homenageado, professora Ivanilda Verçosa.

Élcio Verçosa

A obra de Élcio Verçosa carrega a marca trágico-esperançosa (como ele mesmo se definia) de sua postura diante do mundo, empregando todas as energias para descortinar as formas perversas através das quais o poder dominante condena o povo à ignorância e à miséria. Assim apresenta a obra o reitor da Uneal, professor Clébio Correia de Araújo: “Nessa mesma medida, indicando os caminhos para novas pedagogias sociais e escolares comprometidas com a igualdade e a justiça social, ratificando sua fé na educação enquanto esfera fundamental para a construção de um mundo melhor, razão maior de toda uma vida dedicada à luta política por uma escola pública, gratuita e de qualidade para cada alagoano”.