SBPC Afro e Indígena tem início nesta segunda feira no Campus do Sertão

A proposta é trazer toda a produção científica em torno das relações étnico-raciais, com vasta programação e espaço infantil Erê, Ibeji e Curumim
Por: Veruscka Alcântara - jornalista colaboradora - 22/07/2018 às 19h58
context/imageCaption

Sertão vai receber programação da SBPC Afro e Indígena

A partir desta segunda-feira (23), a Ufal Campus do Sertão sedia a SBPC Afro e Indígena, que tem como objetivo discutir questões étnicas raciais relacionadas ao povo negro e indígena. A programação, que se estende até a terça-feira (24), é composta de mesas-redondas, conferências e oficinas, e também contará com mostra de curtas-metragens relançamento de títulos e o espaço infantil Erê, Ibeji e Curumim.

“Estarão presentes convidados de várias universidades do país mostrando que se discutir a questão afro e a questão indígena vai além da cultura, tem toda uma história, uma questão social que perpassa aqui no país”, ressalta a coordenadora do evento, Ana Cristina Conceição Santos.

A educadora enfatiza que este é o momento de socializar pesquisas e projetos de extensão desenvolvidos no campus sobre o tema. “É um campo muito vasto, pensando na questão da história, pensando na questão social, questões que vão envolver ideologia, porque temos uma ideologia posta no nosso Brasil de que não existe racismo, que vivemos numa democracia racial e isso tudo é falácia”, diz.

Ana Cristina destaca o papel da Universidade Federal de Alagoas no processo. “No sertão alagoano existem várias comunidades quilombolas e indígenas, então, a presença desses grupos é bastante forte. A Ufal, Campus do Sertão, está em todo momento provocando essas discussões, e a presença da SBPC no campus durante esses dois dias as potencializará. Será um momento de socialização de pesquisas e de amadurecimento teórico não só para estudantes, mas para toda a sociedade”, ressalta.

Ela destaca também os debates em torno das leis que versam sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana, e a inclusão no currículo oficial a temática História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. “A conferência de abertura vai ser em torno da aplicabilidade da Lei 10. 639, que já completou 15 anos e a gente não vê sua total efetivação aqui nas escolas, quer sejam públicas, quer sejam privadas, nem nas universidades, além da Lei 11.645 de 2008, que vai também tornar obrigatório a história e cultura indígena nas escolas, quer seja em educação básica, quer seja no ensino superior”, explica.

O vice-reitor da Ufal, José Vieira Cruz, considera a SBPC Afro e Indígena um grande diferencial. “Isso é muito significativo, pois estamos num contexto recente em que a Serra da Barriga foi tombada como patrimônio cultural do Mercosul e evoca toda uma história de resistência, tanto de ex-escravos como de indígenas que nesse contexto da expansão do açúcar e da cultura canavieira acabaram incorporados a esse setor produtivo de forma coercitiva, mas resistindo de diversas formas, inclusive com os famosos mocambos, quilombos”, comentou.