Participantes da SBPC Alagoas conhecem projeto de observatório terrestre

Estimativa é que até 2019 as observações no Cherenkov Telescope sejam iniciadas
Por: Shara Elaine - estudante de Relações Públicas. - 29/07/2018 às 16h01 - Atualizado em 30/07/2018 às 09h24
context/imageCaption

Ulisses Barres de Almeida, palestrante. Foto: jardel Rodrigues/SBPC

O futuro da astrofísica de altas energias foi tratado em conferência durante a 70ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). O conferencista convidado foi o  Ph.D. em Astrofísica pela Universidade de Durham, Inglaterra, Ulisses Barres de Almeida, membro da Colaboração Magic e responsável pelo grupo do Cherenkov Telescope Array (CTA) .

A conferência baseou-se nas explicações do projeto Cherenkov Telescope Array (CTA), que segundo informações disponibilizadas no site oficial do mesmo, será o observatório terrestre da próxima geração para a astronomia de raios gama a energias muito altas. Com mais de cem telescópios localizados nos hemisférios norte e sul, o CTA será o maior e mais sensível observatório do tipo no mundo.

São mais de 30 países envolvidos na construção do CTA e quase 1,5 mil participantes que trabalham desde o planejamento até a execução do mesmo, informou Almeida. “Estima-se que a partir de 2019 as observações sejam iniciadas, mas como o CTA terá muitos telescópios, serão agregados mais telescópios com o passar do tempo, para que em até 2025 a gente tenha o relatório completo”, explicou.

O CTA visa detectar raios gama que não chegam à superfície da terra, mas quando atingem a superfície do planeta, transformam-se em partículas ou chuveiros de partículas subatômicas. “As primeiras tentativas de identificar raios gama foram em meados dos anos 50; demorou praticamente 30 anos para se identificar a primeira fonte”, afirmou Barres.

Para quem se interessar sobre o projeto, basta acessar aqui.