Em cinco anos, LCCV publicou cerca de 500 trabalhos científicos

Laboratório contribui, desde 2009, com resolução de problemas complexos da engenharia

04/12/2014 17h13
context/imageCaption

Coordenador do LCCV, William Wagner, apresentou o percurso do laboratório desde seu surgimento

Pedro Barros - estudante de Jornalismo

O Laboratório de Computação Científica e Visualização (LCCV) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) realizou na manhã desta quinta-feira (4) uma cerimônia em comemoração aos cinco anos de sua fundação. Nesse período, ele se destaca por sua produção científica, que chegou à marca de cerca de 500 trabalhos publicados.

A história da unidade de pesquisa foi contada em palestra e solenidade contou com a participação de autoridades do Estado e colaboradores. Provido de computadores de alto desempenho, o LCCV contribui com a resolução de problemas complexos da engenharia, tendo chegado a média anual de publicação de cem trabalhos científicos. "Seriam necessários 30 anos para um computador comum calcular o que nosso equipamento calculou em seis meses", explicou o coordenador do LCCV, William Wagner Matos Lira, que apresentou o percurso do laboratório até hoje e algumas de suas principais conquistas.

De acordo com o gestor, a história do LCCV começou em 2006, com um grupo de pesquisa que usava duas salas do Núcleo de Pesquisa Multidisciplinar, o "Severinão", até ter seu prédio inaugurado em 19 de novembro de 2009. "O laboratório faz parte da Rede Galileu, da Petrobrás, que envolve grandes universidades com o objetivo de, em parceria com a empresa, encontrar soluções para seus enormes desafios", declarou. Durante os cinco anos, já foram investidos cerca de R$ 15 milhões, por diversas instituições parceiras.

O laboratório já contribuiu com a formação de 54 estudantes, que hoje são professores da própria Ufal, ou trabalham em grandes empresas brasileiras - como a Petrobrás, Vale e Algás - ou estão cursando pós-graduação em diversas instituições do País ou do exterior. "Nosso foco aqui é procurar soluções para complexos problemas por meio de nossa tecnologia e esse é o retorno que damos às empresas que investem em nós. No entanto, fazendo parte de uma instituição de ensino como a Ufal, temos o compromisso de colaborar com a formação de recursos humanos e buscamos fazer isso da melhor forma possível", justificou William.

A mesa solene, que encerrou a cerimônia, foi composta pelo presidente da Algás, Geoberto Espírito Santo; a pró-reitora de Pesquisa e Pós-graduação, Simoni Menghetti; o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Eduardo Setton; a vice-reitora da Ufal, Rachel Rocha; a reitora honorária e atual secretária de Educação e Esporte de Maceió, Ana Dayse Dórea; o coordenador do Centro de Tecnologia da Ufal, Luciano Barbosa; e o coordenador do LCCV, William Wagner.