Ufal em Defesa da Vida promove sarau com poesias sobre a liberdade do ser

Ato cultural foi realizado pelo projeto Papel no Varal, cujo objetivo é divulgar a poesia para a população alagoana

02/04/2014 18h35 - Atualizado em 14/08/2014 às 10h27
context/imageCaption

A comunidade acadêmica marcou presença no ato cultural

Deriky Pereira – estudante de Jornalismo

A leitura de poemas com o tema da liberdade. Mas não apenas a liberdade política, ligada ao período da Ditadura Militar no Brasil (1964-1985) e sim a liberdade do ser. Com essas palavras podemos definir o ato realizado pelo Projeto Papel no Varal como parte da programação do Ufal em Defesa da Vida, onde a comunidade acadêmica pôde contribuir um pouco com o momento de descomemoração dos 50 anos do período ditatorial.

Por cerca de duas horas, enquanto algumas pessoas se aproximavam do varal para ler algumas das poesias expostas, outras subiram ao palco montado na praça ao lado do Restaurante Universitário (RU) para mostrar a sua cara e dar voz aos poemas. O estudante Iago Macêdo foi um deles. Acadêmico do 7º período de Direito, ele disse que deixou de lado todo e qualquer nervosismo que poderia ter para embarcar no ritmo das palavras do poema que escolheu.

A emoção de ler aqui, em cima do palco... É uma sensação ímpar. Ter esse contato direto com as palavras, viajar no ritmo imposto pelo poeta... Não existe nervosismo, só pude enxergar as palavras e transmiti-las para o público. É muito bom quando isso acontece de forma perfeita, pois a arte é o caminho”, salientou. Para ele, cada manifestação artística cumpre seu papel de forma humanizadora. “Conseguimos traduzir nossas sensações muito mais pela arte que pela ciência. Eu acho que a arte cumpre um papel fundamental na humanização de todas as pessoas”, complementou Iago.

A professora Ruth Vasconcelos também subiu ao palco para declamar uma poesia. Disse, logo em seguida, que proporcionar um espaço para a comunidade universitária produzir arte sobre esse tema de extrema importância é um momento muito especial. “Sempre acho muito bem positivo esse encontro da política com a arte. A arte é uma mediação interessante porque nos coloca em contato com temas que produzem reflexão. E mais que nunca estamos precisando de momentos de reflexão, pois a vida vem sendo muito intensa”, salientou.

Ruth refletiu ainda sobre a data especial ao comparar os jovens que, à época, estavam lutando contra a ditadura militar e, hoje, a participação do público jovem no evento em que descomemora os 50 anos do período ditatorial. “Há exatos 50 anos, a juventude não estava lendo poesia. E nós, hoje, jovens, adultos, todos, estamos podendo fazer isso porque eles lutaram contra a ditadura militar. A musica, poesia e arte como um todo, são instrumentos muito importantes de reflexão crítica da sociedade”, comentou.

O professor Ricardo Cabús, coordenador do projeto Papel no Varal, também refletiu a respeito do momento especial. “Descomemorar um golpe militar, pra gente, é algo significativo. Aqui, fizemos uma celebração da liberdade por meio da linguagem poética. E a poesia e a liberdade são muito amigas. E eu acredito que isso dá um colorido ao nosso projeto também, nesse diálogo entre academia e sociedade. Com o tema, trazemos algo com suas acepções várias, a liberdade num geral, ou seja, a liberdade do ser”, disse.

Ele complementou o pensamento ao apontar o contraste entre o momento de terror, vivido há 50 anos, e o momento de liberdade nos dias de hoje. “Gosto de pensar na possibilidade de que devemos continuar a luta para mantermos o país num estado de liberdade plena, para que possamos ter uma sociedade melhor para todos, pois a arte caminha junto com o povo. Para mim, é um prazer participar desse momento, desse projeto da Ufal pela Vida”, concluiu Ricardo Cabús.

Além da leitura de poemas, o espaço contou ainda com a participação especial do músico Luiz de Assis, vocalista da Banda Vibrações, que trouxe um repertório de canções autorais e clássicos marcados pelo espírito de protesto. O projeto Papel no Varal é uma promoção do Instituto Lumeeiro em parceria com a Pró-reitoria Estudantil (Proest) da Ufal e tem como objetivo divulgar a poesia para toda população alagoana.

Leia mais: Ufal em Defesa da Vida ouve depoimentos de alagoanos da Ditadura

Ato em Defesa da Vida destaca a importância de manter a vigilância para que a repressão não volte