Estudos avaliam potencial de cafeína e carboidratos no desempenho de atividades desportivas

Equipe de futebol da Ufal está passando por testes no uso de combinados alimentares
25/03/2013 às 13h55 - Atualizado em 14/08/2014 às 10h31
context/imageCaption

Victor Amorim e Victor Bastos fazem parte do do Grupo de Pesquisa em Ciências do Esporte

Jhonathan Pino jornalista

Diversas pesquisas do Programa de Pós-graduação em Nutrição vêm revelando os benefícios que o uso de cafeína é capaz de proporcionar em atletas. No Portal da Ufal já foram vistos que doses extras desse elemento são capazes de melhorar o desempenho dos praticantes de Tae-kwon-do e do Ciclismo, mas a ausência de conhecimentos sobre os benefícios da cafeína, combinado com carboidratos, em esportes intermitentes, como judô, futebol e basquete vem reforçando a necessidade de investigações para essa área. É por isso que mais um aluno do mestrado da Nutrição, Victor Amorim, está em fase de testes para a aplicação dos dois suplementos em jogadores de futebol.

Conforme Victor, a modalidade é classificada como intermitente porque caracteriza-se pela realização de esforços de alta intensidade e curta duração (sprints), intercalados por períodos de menor intensidade, com recuperação ativa, ou com pausas completas (recuperação passiva). Durante a pré-temporada, os jogadores passam diariamente por duas sessões de treinos, nos períodos da manhã e tarde, com um espaço de três a seis horas de descanso.

A pesquisa aponta que toda essa intensidade dos treinos acaba por gerar um desgaste físico nos jogadores, fazendo com que seus rendimentos caiam. Os maus hábitos alimentares e o excesso de treinamento acabam tornando um verdadeiro desafio aos preparados físicos e nutricionistas fazer a recuperação de suas equipes. Por isso, durante o intervalo dos treinos, muitos implementam de estratégias nutricionais que eles acreditam ser possíveis promover uma recuperação mais rápida dos atletas, entre elas estão a ingestão combinada de carboidratos e cafeína.

Procedimentos da pesquisa

Para avaliar a eficiência desses elementos na recuperação dos jogadores, Victor Amorim, orientado pelo professor Adriano Lima, está aplicando testes com 15 jogadores da equipe de futebol masculino da Universidade Federal de Alagoas. “Nossa ideia é avaliar os efeitos das suplementações, tanto em aspectos físicos, quanto em aspectos técnicos do desempenho de jogadores de futebol”, explica Victor.

No momento, os atletas estão passando por testes de salto vertical contramovimento, utilizado para avaliar a capacidade produção de força explosiva dos membros inferiores dos jogadores; teste de agilidade, na avaliação da valência agilidade dos jogadores; testes de desempenho e precisão do atleta, na execução de passes curtos abaixo de cinco metros e teste de sprint repetidos, na identificação da capacidade do atleta de se recuperar rapidamente, após a execução de esforços de alta intensidade.

Em uma das condições experimentais, todos os atletas estão sendo submetidos a suplementação combinada de carboidratos e cafeína. A hipótese é de que estes tenham o seu desempenho melhor no período da tarde, em comparação àqueles que ingerem somente carboidratos.

Outra hipótese é de que a cafeína isoladamente aumente o desempenho nos treinos da tarde. Ela foi levantada após estudos de Marcos Silva, também integrante do Grupo de Pesquisa em Ciências do Esporte, verificar que atletas de ciclismo tiveram aumento de desempenho a partir da ingestão de cafeína, mesmo após o indivíduo ter realizado um protocolo para reduzir as reservas de glicogênio muscular.

“O trabalho prevê algo novo, porque não há estudos na literatura que façam a comparação do efeitos das suplementações de carboidratos e cafeína, tanto de forma isolada, quanto combinada, no desempenho específico de jogadores de futebol, após um período inicial de treinamento”, diz o pesquisador. Os resultados finais devem sair nos meses de agosto e setembro deste ano.

Veja também:

Pesquisa atesta que Cafeína melhora desempenho de atletas no Tae-kwon-do

Nutrição apresenta pesquisas realizadas com atletas