O filósofo Carlos Libâneo atrai grande público

Filósofo participou do Seminário de Educação, no quinto dia de Bienal
29/10/2013 às 14h40 - Atualizado em 14/08/2014 às 10h30

Myllena Diniz – estudante de Jornalismo 

No auditório A faltou espaço para o grande número de educadores interessados na palestra do filósofo José Carlos Libâneo, convidado do Seminário de Educação, nesta terça-feira, 29. A atividade compõe a programação da 6ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas e reuniu profissionais de diversas áreas para um bate-papo sobre práticas de ensino. 

Na contramão da era tecnológica, o filósofo defendeu a formação de indivíduos críticos e com capacidade de desenvolver conceitos. Libâneo citou Giovanni Sartori, cientista político, e pontuou a dificuldade dos pedagogos diante do cenário midiático. Segundo ele, competir a atenção do alunado com os quatro elementos da mídia – som, cor, imagem e movimento – é uma tarefa complexa. 

“O Homo sapiens é o ser humano que tem capacidade de pensar, já o Homo videns é o que vê longe e direciona a atenção para a imagem. Os alunos funcionam mais como Homo videns, mas o professor tem que formar Homo sapiens. Cabe ao educador ajudar o aluno a desenvolver suas capacidades simbólicas, seu pensamento”, refletiu Carlos Libâneo.

O filósofo compreende a nova dinâmica do processo de ensino-aprendizagem e alerta: “O papel das escolas é desenvolver a capacidade intelectual dos alunos por meio dos conteúdos. É imprescindível unir a palavra escrita e a imagem, mas os dois elementos devem ser complementares. Não podemos substituir tudo pela imagem”. 

Libâneo destacou, ainda, que os problemas das escolas não serão resolvidos pela tecnologia, mas pela pedagogia e pela didática. Na visão do teórico, as ferramentas tecnológicas apenas auxiliam na elaboração e aplicação de conteúdos. 

Grande procura 

Muita gente veio conferir, de perto, a participação de Carlos Libâneo na Bienal de Alagoas. No salão do Centro Cultural e de Exposições de Maceió, os que não conseguiram uma vaga no auditório acompanharam atentamente as palavras do filósofo pelo telão. Ninguém ficou de fora de uma das palestras mais aguardadas do evento. 

Aline Ferreira, pedagoga, foi uma das pessoas que assistiu à transmissão da palestra, ao vivo, do lado de fora. “Na área da Educação, Libâneo é um nome muito forte. Ele possui trabalhos sobre didática e isso serve para que eu me atualize como profissional. Aqui, por exemplo, ele tem abordado assuntos como metodologias e saberes necessários ao educador”, salientou. 

Joedsa Oliveira, aluna de Licenciatura em História da Ufal, também aproveitou a oportunidade para complementar a formação acadêmica. “Eu faço licenciatura e tenho interesse pelo ensino fundamental. Então, é uma honra participar de uma palestra ministrada por um filósofo que é tão conceituado na Educação. Por isso, mesmo sem ter lugar no auditório, arrumei um jeito de acompanhar a palestra”, destacou. 

O palestrante 

Carlos Libâneo é graduado em Filosofia, mestre em Filosofia da Educação e doutor em Filosofia e História da Educação pela PUC-SP. Ele também possui pós-doutorado pela Universidade de Valladolid, da Espanha. Atualmente, é professor titular da Universidade Católica de Goiás e coordenador do grupo de pesquisa Teorias e Processos Educacionais.