Pesquisadores cubanos discutem possibilidades de intercâmbio cultural e científico

Encontro Setorial de Inovação faz parte de amplo projeto intitulado Cuba-Brasil no século 21; programação foi encerrada nesta segunda-feira

05/08/2013 17h35 - Atualizado em 14/08/2014 às 10h30
context/imageCaption

Mesa de abertura do Encontro Setorial de Inovação (Fotos: Alyne Vieira)

Lenilda Luna - jornalista

A delegação com 24 cubanos chegou em Maceió no fim da tarde da última sexta-feira (2). Professores e estudantes da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), de várias áreas de conhecimento, já estavam no auditório da Casa da Indústria para a abertura do Encontro Setorial de Inovação, que faz parte de um amplo projeto intitulado "Cuba-Brasil en el siglo 21" (Cuba-Brasil no século 21). Este programa vem sendo construído há cerca de quatro anos e foi lançado em Havana no encontro realizado em setembro de 2012. Segundo os organizadores do projeto, o princípio fundamental é contribuir para o desenvolvimento sustentável dos dois países, compartilhando conhecimentos e tecnologias.

Segundo o representante brasileiro do setor de Inovação e Empreendedorismo e professor da Ufal, Josealdo Tonholo, os dois países latino-americanos têm muito a ganhar com este intercâmbio. "Temos culturas similares, problemas comuns e algumas conquistas que podem se complementar. No Brasil, temos mais acesso a algumas tecnologias, mas em Cuba, a despeito das dificuldades enfrentadas por este povo, eles conseguiram capacitar muito bem os pesquisadores, e este pessoal qualificado tem muito interesse em colaborar, aprender e observar, contribuindo bastante em grupos de pesquisas", destacou Tonholo.

O projeto de intervenção nos dois países tem objetivos de colaboração nas áreas de economia, cultura e cooperação científica. "Na delegação cubana vieram pesquisadores da áreas de Ciências Agrárias, Física, Química e também de Humanas, como Sociologia, Letras e Direito, o que demonstra o interesse de construir um amplo leque de possibilidades para este intercâmbio científico. Além de produzir conhecimento, Cuba, assim como o Brasil, precisa avançar no aspecto de inovação e empreendedorismo, ou seja, os pesquisadores têm cada vez mais interesse em direcionar a produção científica para a intervenção no desenvolvimento social e econômico dos países", ressaltou o representante da Ufal.

Abertura oficial

Na sexta-feira (2), na mesa de abertura, a Ufal foi representada pela vice-reitora Rachel Rocha, pela pró-reitora de Pesquisa e Pós-graduação, Simoni Plentz Meneghetti, e pela professora Sandra Nunes, da Assessoria de Intercâmbio Internacional. O governo do Estado de Alagoas foi representado pelo secretário da Ciência, Tecnologia e Inovação, Eduardo Setton. Também estavam na mesa a presidente da Fapeal, professora Janesmar Camilo Cavalcanti, e a secretária da Academia Cubana de Ciências, professora Lillian Diaz. 

Após a abertura, os pesquisadores se dirigiram para um hotel na praia do Francês, onde passaram o fim de semana debatendo temas como: Sistemas de Inovação e Desenvolvimento Regional, Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia, Empreendedorismo, Fomento e Oportunidades de Cooperação. Na segunda-feira (5), os participantes do encontro realizaram visitas técnicas ao Programa de Melhoramento Genético da Cana de Açúcar, na Serra do Ouro, em Murici; Polo Setorial de Cloro-Soda e Plástico, em Maceió e Marechal Deodoro; Cooperativa Pindorama, em Coruripe, Laboratório de Computação Científica e Visualização, além de outros locais no Campus da Ufal, em Maceió.