Bienal do Livro de Alagoas investe em acessibilidade

Trazer as pessoas com deficiência para participar da Bienal do Livro é um dos objetivos do evento que, desde sua última edição há dois anos, conta com um site acessível a pessoas portadoras de deficiência visual. Quem tem o programa instalado no computador, já pode conferir toda a programação e informações através de um sistema que lê tudo o que está escrito na página.

04/10/2011 13h53 - Atualizado em 13/08/2014 às 11h08
context/imageCaption

Fabrícia Barbosa, jornalista, no stand da Fundação Dorina Nowill para Cegos na IV Bienal

Jacqueline Freire - jornalista

Quem acessa o site da V Bienal Internacional do Livro de Alagoas, pode visualizar, informações sobre reserva de estandes, inscrição em oficinas, lançamentos, o mapa da bienal e o fale conosco do evento. Até mesmo a programação completa só está disponível lá.

“Os detalhes das oficinas e das palestras só estão no site, pois a Bienal é um evento muito grande e não é possível colocar tanta informação num folder. Para se ter ideia, teremos 54 palestras num único espaço”, explica Sheila Maluf, diretora da Edufal e organizadora da bienal.

Mas a inclusão de pessoas com necessidades especiais vai além da acessibilidade pelo site. Serão 14 oficinas inclusivas – dentre as deficiências intelectuais e múltiplas, duas oficinas em Braille e quatro de libras. Conforme Sheila Maluf, este é um evento “para todos os públicos e para todas as idades”.

Leia também: V Bienal Internacional do Livro de Alagoas espera público de até 200 mil pessoas