Bolsa Permanência para o estudante será ampliada em 2012

Políticas de assistência estudantil visam contribuir para a permanência desses alunos.

09/08/2011 15h15 - Atualizado em 13/08/2014 às 11h08
context/imageCaption

Pedro Nelson revela ampliação da assistência estudantil nos próximos dois anos

Lenilda Luna - jornalista

O perfil socioeconômico e cultural dos estudantes de graduação das Universidades Federais Brasileiras, lançado semana passada durante o Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis (Fonaprace), revelou que, nas universidades do nordeste, 52% dos estudantes tem renda familiar até três salários mínimos.

O estudo, coordenado pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), vai servir como base para o fortalecimento das políticas de assistência estudantil. “O nosso desafio é ampliar o acesso à universidade das famílias de baixa renda, mas o principal, é que esses estudantes tenham condição de se manter na universidade para concluir a formação profissional”, destacou o pró-reitor Estudantil da Ufal, Pedro Nelson, que esteve em Brasília participando do Fonaprace.

Durante o Fórum, foram debatidos diversos assuntos que precisam ser encarados pelos gestores das universidades. “Temos que ter políticas para enfrentar situações adversas que atingem os alunos, como a violência urbana, álcool, drogas, além de desenvolver a assistência para suprir necessidades como a de moradia, alimentação e atendimento médico”, ressaltou Pedro Nelson.

Assistência Estudantil na Ufal

O pró-reitor Pedro Nelson falou dos avanços na assistência aos estudantes. “Agora em maio, tivemos reajuste da bolsa permanência, e vamos ampliar o número de estudantes atendidos, de 1300 para dois mil até o ano que vem”, informou o pró-reitor.

A construção das novas residências estudantis é outra ação importante. Até o final do ano devem ser entregues cinco dos doze prédios que serão construídos no campus Maceió. “As obras do primeiro lote já estão sendo concluídas”, anunciou Pedro Nelson.

Bem em frente às novas residências está sendo erguido o novo Restaurante Universitário,com capacidade para três mil comensais. “Vamos manter a gratuidade para os alunos de baixa renda e oferecer refeições a baixo custo para a comunidade universitária em geral”, informou o pró-reitor.

Ele disse ainda que os recursos para os restaurantes universitários dos campi do Sertão e Arapiraca já foram aprovados pelo Governo Federal. “Ainda este ano vamos licitar as obras para iniciar as construções”, concluiu o pró-reitor

Dia do Estudante

Nesta quinta-feira, dia 11, a Proest realiza várias atividades para comemorar o Dia do Estudante. Segundo a coordenadora de política estudantil, Ruth Vasconcelos, a maior parte das atividades será realizada na Tenda da Cultura Estudantil, no Campus Maceió.

“Vamos ter apresentação do Teatro do Oprimido, às 10h, que faz parte do projeto Vivência de Artes. Ao meio-dia teremos música no Restaurante Universitário, com o projeto Aquinta Cultural”, informou a coordenadora.

Durante a tarde a programação continua com foco na cultura africana. “Teremos debates e apresentação cultural dos grupos de Maracatu, Dança Afro e Capoeira”, disse Ruth. A programação prossegue, às 17h, com apresentação da Banda Artefato, que toca MPB e Rock, e com a apresentação de um filme da programação Cine Olho Vivo.

Fonaprace

O Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis (Fonaprace), foi criado em outubro de 1987, e congrega os pró-reitores, sub-reitores, decanos ou responsáveis pelos assuntos comunitários e estudantis das instituições de ensino superior (IES) públicas do Brasil. Entre os dias 8 e 10  de setembro será realizada em Maceió, no Hotel Ponta Verde, a reunião regional do Fonaprace.

O Fonaprace tem por objetivos: formular políticas e diretrizes básicas que permitam a articulação e o fornecimento das ações comuns na área de assuntos comunitários e estudantis, em nível regional e nacional; assessorar permanentemente a Andifes; participar ativamente na defesa da educação pública, gratuita, com qualidade acadêmica e científica, e comprometida com a sociedade que a mantém; promover e apoiar estudos e pesquisas na área de sua competência, realizar congressos, conferências, seminários e eventos assemelhados.