Curso de Engenharia Ambiental desenvolve ações em defesa do Meio Ambiente


01/06/2011 11h46 - Atualizado em 13/08/2014 às 11h07
context/imageCaption

Alunos do curso Eng. Ambiental apresentando trabalhos técnicos

Madalena Fernandes – estudante de Jornalismo

 

A ação do homem no meio ambiente é uma das preocupações da engenharia ambiental, já que a preservação dos recursos naturais é fundamental para o desenvolvimento da sociedade.

Foi pensando na conscientização da sociedade para uma interferência sustentável no meio ambiente que o curso de Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Alagoas realizou uma série de atividades na Semana do Meio Ambiente, envolvendo escolas do município e da universidade.

 

A programação contou com as palestras “Os impactos ambientais, econômicos e sociais das usinas de açúcar e álcool”, pela professora Elba Bronzi, o “Aquecimento ou Histeria Global?”, do meteorologista Luis Carlos Molion, e ainda “O Meio Ambiente e Educação”, com a educadora Maria Alba Correia, e a “Implementação de Florestas de Proteção”, pelo engenheiro agrônomo Valdir Martiniano, da Secretaria Municipal de Proteção ao Meio Ambiente.

 

Além das palestras, a atividade “Feira de Profissões” movimentou o espaço com a participação de alunos do ensino médio, que visitaram as instalações do Centro de Tecnologia, conheceram produtos, processos e serviços de algumas empresas que atuam na área da engenharia.

 

O curso de Engenharia da Ambiental tem cinco anos de existência e na Semana do Meio Ambiente o público pôde conferir 15 projetos de Trabalho de Conclusão. “Os temas versam sobre a caracterização e simulação do escoamento no Rio Mundaú e no CTEC, gestão de águas subterrâneas, impactos ambientais da construção civil, efeitos da retirada de areia de rio para construção civil, análise de externalidades”, informa Karina Salomon, coordenadora do curso de .

 

A coordenadora do curso de Engenharia Ambiental, informou ainda que os demais trabalhos focalizaram a produção de bioenergia nas usinas de álcool e açúcar, aproveitamento de óleo de fritura e de águas de chuva, aproveitamento de resíduos de produção de farinha, eco-toxicologia de rios e região costeira, zoneamento da produção do sururu e dispersão de efluentes lançados pelo emissário submarino.

 

Um painel realizado na véspera da votação da alteração do código florestal, coordenado pela professora de Direito, Alessandra Marchioni, ilustrou as incompatibilidades propostas na lei atual com os acordos e tratados firmados pelo país no controle dos impactos ambientais.

 

Para os que gostam de cinema, foram exibidos “Erin Brockovich” e “Lixo Extraordinário”, no cineAmbiental, que também trouxe questões do cotidiano induzidas por professores do Ctec. A oficina coordenada pela professora Keila Adiene, da Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas, ensinou a técnica de reaproveitamento de filtros de café para produção de luminárias. E para encerrar, a apresentação do projeto A (qui) ta Cultural animou o evento.