Feras Ufal em Arapiraca são exemplo de determinação


12/02/2009 10h28 - Atualizado em 13/08/2014 às 00h10
context/imageCaption

Recepção aos feras no Campus Arapiraca

O que chama a atenção na história de vários aprovados no Campus Arapiraca é a persistência, a dedicação aos estudos, a superação de todo tipo de dificuldade.  O depoimento de quatro feras, durante a aula inaugural, no dia 09 de fevereiro, ilustra muito bem a importância da presença da Universidade Federal de Alagoas no interior, oportunizando o acesso ao ensino superior, público e de qualidade.

Aparecida Oliveira do Amaral, 19 anos, do município Rui Palmeira, é um desses exemplos. Ela fez o PSS 1, em 2005, e obteve uma ótima pontuação. Mas a estudante do Colégio Divino Mestre, em Santana do Ipanema, teve que interromper o segundo ano do Ensino Médio, em 2006, por falta de condições financeiras.

Mas ela não desistiu e, em 2007, retomou os estudos, concluindo o ensino médio, em 2008, ano em que fez o PSS geral e foi aprovada em 4° lugar no curso de Administração. Na recepção aos “feras”, Aparecida estava acompanhada da mãe, Maria dos Prazeres Oliveira, do padrasto, Manoel Vieira Ferraz, e da irmã, Bruna Ferreira da Silva, 15 anos, que cursa o 1° série do Ensino Médio na Escola Estadual Costa Rego e pretende prestar vestibular para Medicina.

Para cursar a Universidade, Aparecida vai residir durante a semana em Arapiraca, com a mãe e a irmã, há quase duas horas de sua cidade de origem. O padrasto Manoel Vieira Ferraz, que trabalha como motorista da prefeitura do município de Rui Palmeira, sempre foi um grande incentivador dos estudos da enteada. “Ela está no caminho certo”, diz Manoel Ferraz.

Aparecida ainda foi aprovada, ano passado, no concurso da Caixa Econômica Federal, para a cidade de Arapiraca e está aguardando a nomeação. A estudante universitária faz vários planos para se qualificar profissionalmente fazendo pós-graduação.

Indagada sobre o que sentiu e qual a importância de passar no vestibular, Aparecida disse que sempre foi um sonho ingressar na Ufal. “Tenho certeza que vou alcançar meus objetivos. É um prazer grande ser aluna da Ufal e para que eu tivesse essa vitória foi importante o apoio da minha família”, disse a estudante.

Orgulhosa da filha, Maria dos Prazeres disse que também se sente vitoriosa por saber que Aparecida venceu uma disputa concorrida.  “Muita gente tenta, mas poucos conseguem”, disse a mãe da estudante . 

Fera orgulhoso do primeiro lugar

Aprovado em 1 ° lugar no curso de Ciências Agrárias e também em 1º lugar na área de conhecimento, José Adriano, 21 anos, foi contemplado com uma Bolsa de Iniciação Científica e ainda ganhou, da Escola System de Arapiraca, uma bolsa para o curso de inglês. 

O estudante, que mora em São Sebastião, disse sentir muito orgulho de sua colocação. Seu pai é motorista, sua mãe é dona-de-casa, tem cinco irmãos e todos comemoram sua aprovação no PSS da Ufal. José Adriano já cursa Química na Universidade Estadual de Alagoas e pretende se desdobrar para conciliar as duas faculdades. “Quando eu concluir o curso de Agronomia, vou fazer concurso para as duas áreas, buscando me firmar e me realizar profissionalmente”, disse o “fera” da Ufal.

Estudante de 17 anos é fera em Zootecnia

Larissa Ribeiro Dias, natural de Aracaju e residindo em São Sebastião, foi aprovada no curso de Zootecnia. Filha de pai autônomo e mãe dona-de-casa, a estudante ressaltou a importância do Campus em Arapiraca quando disse que em Maceió ficaria mais complicado dar continuidade ao curso. Ela ressaltou também o incentivo de seus pais como fundamental para a conquista de uma vaga na Ufal. “Sinto-me orgulhosa por essa aprovação, que vai me garantir um futuro, uma profissão”, comemorou Larissa. A estudante tem 17 anos e esta foi a primeira vez que prestou vestibular.

Outro jovem fera nas Ciências da Computação

Glevson da Silva Pinto, 17 anos, natural de Teotônio Vilela, prestou pela primeira vez o PSS e foi aprovado em 2° lugar no curso de Ciências da Computação do Campus Arapiraca.

Indagado sobre a importância da interiorização da Ufal, o estudante disse: “Acho importante por estar integrando pessoas de outros municípios. Se tivesse que concorrer a uma vaga em Maceió, ficaria mais distante e mais difícil. A Universidade Federal, com ensino de mais qualidade, pode garantir mais suporte, mais renda e maior investimento no aluno”.

Glevson se sente feliz e realizado, porque a Universidade já é uma perspectiva para um futuro emprego. O estudante confessou estar ansioso e pretende concluir bem o curso, tendo um coeficiente alto e se qualificando para bolsas de estudos e projetos de pesquisa, como sempre desejou. Seu pai é mecânico e sua mãe dona-de-casa, e ele tem três irmãs. “Todos estão orgulhosos dessa minha vitória, porque a partir de agora eu passo a ter uma nova perspectiva de vida”, disse Glevson.

Roberta Batista – Estagiária de Jornalismo