Pinacoteca da Ufal premia alunos de escola do bairro Santos Dumont

Com a campanha Onélia Pinaconectada, eles fizeram releitura de obras do acervo do museu
Por Lucas Carvalho - estudante de Jornalismo
11/12/2020 09h12 - Atualizado em 11/12/2020 às 09h13
context/imageCaption

Iris Danielle e professor Luciano Falcão na premiação dos alunos

Projeto desenvolvido na Escola Estadual Onélia Campelo, localizada no bairro Santos Dumont, em Maceió, levou o acervo da Pinacoteca Universitária da Ufal -museu de artes visuais- para alunos do ensino fundamental e médio. Isso aconteceu durante todo o mês de outubro, com a coordenação professor de Arte, Luciano Falcão, e, agora, os resultados dos 21 estudantes das turmas do 3º ano estão sendo publicados nas redes sociais do museu, como parte da campanha Onélia Pinaconectada: interpretações do acervo da Pina Ufal.

Resultado da articulação entre a equipe da Pinacoteca e o professor Luciano, o projeto usou o acervo da Universidade nas aulas virtuais. Foram aplicadas diversas atividades com os alunos sobre a Pina, as obras que compõem seu acervo e os profissionais que trabalham em museus. Além do chamado “Passeio virtual”, alunos do ensino médio produziram livres interpretações das obras, nos mais variados formatos. Releituras e associações nas formas de pinturas corporais, arte digital, colagem, desenhos, tudo produzido sob o olhar criativo dos alunos da rede pública do Estado.

Escolhidos pelo professor, os trabalhos foram selecionados e premiados e os alunos destaques das turmas do 3º ano do ensino médio receberam da Pinacoteca uma miniatura da obra do acervo que trabalharam. “Eles mereceram pela qualidade, pela criatividade, pelo empenho e dedicação”, explicou Luciano.

A coordenadora da Pinacoteca, Iris Danielle, conta que a ideia da parceria partiu da observação de atividades semelhantes nas redes sociais. “Vimos que algumas instituições de ensino fizeram uma atividade de releituras de pinturas internacionais famosas. Então começamos a buscar professores de artes interessados em trabalhar com o patrimônio artístico e cultural de Alagoas, levando os nossos artistas e obras para dentro da sala de aula”, explicou.

Segundo o professor, o objetivo inicial era que os alunos compreendessem a função e a história do museu, pudessem ter acesso às obras e desenvolvessem a sua criatividade artística. “Arte se aprende fora dos livros; é necessário sentir. Essa é a função das galerias e museus. São ambientes que nos permitem isso. A Pinacoteca Universitária é um dos ambientes artísticos mais importantes do Estado, por toda a sua história e contribuição, mas a maioria dos alunos nem a conheciam. Está sendo uma experiência nova e fascinante para eles”, contou Luciano, que há 10 anos leciona a disciplina de Arte e já pôde levar outras turmas a visitas em museus, inclusive na Pinacoteca da Ufal.

Ele também esclarece que nem todos os alunos das 15 turmas em que leciona puderam ter acesso a todas as atividades, devido à dificuldade que muitos tiveram em assistir às aulas on-line. Ainda assim, cerca de 200 alunos, do 6º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio, puderam assistir às aulas virtuais da disciplina de artes, baseadas em roteiro de estudos desenvolvido pelo professor.

Para Iraci Oliveira, museóloga responsável pelo setor educativo da Pinacoteca Universitária, os registros desse projeto contribuirão como documento histórico de um momento muito importante para a história da instituição, além de ser também um marco para os estudantes. “Não só por ter seu acervo interpretado pelos estudantes da rede pública, essa interação é um símbolo desse momento atípico que estamos vivendo durante a pandemia. É algo que talvez não acontecesse normalmente, mas essa aproximação foi extremamente importante”, destacou.

Ainda segundo a museóloga, esse projeto alcança etapas essenciais da visitação aos museus, que muitas vezes não são levadas em consideração. “O mais importante da visitação é possibilitar a leitura e a interpretação dos estudantes. Um trabalho anterior e posterior à visitação do museu, feito por meio de atividades em sala, o que muitas vezes não acontece no dia a dia das visitas”, disse.

A culminância do projeto contou com um encontro presencial na Escola, entre a coordenadora da Pinacoteca, o professor, e os alunos envolvidos no projeto. Luciano entregou certificados e brindes a 21 estudantes. Iris Danielle entregou aos alunos destaques, escolhidos pelo professor, seis réplicas em miniatura das obras que eles trabalharam. Ela parabenizou os alunos, agradeceu a participação e o envolvimento de todos e destacou a diversidade de áreas que podem ser seguidas no ensino superior, em especial, as que se tornam porta de entrada para estudantes da Ufal atuarem como bolsistas na Pinacoteca. Salientou também a importância dos museus para a construção social e educacional.

Para os alunos, não apenas um novo lugar foi conhecido como também esse acesso ao mundo das artes estimulou a criatividade e a vontade de conhecer mais os museus. É o caso de Victor Silva dos Santos, aluno do 3º ano que participou das atividades do projeto. Ele conta que nunca pôde ir a um museu presencialmente. “Estou encantado em poder navegar pelas riquezas visuais do Estado”, declarou. Além de apreciar essas descobertas, Victor fez pinturas corporais como releituras das obras dos artistas Lula Nogueira e Carlos Fiuza e deseja visitar a Pinacoteca da Ufal assim que possível.

As fotos de Victor e os demais materiais produzidos pelos alunos, registrados em seus celulares e enviados virtualmente para o professor, podem ser conferidos na campanha Onélia Pinaconectada, no Instagram da Pinacoteca Universitária (www.instagram.com/pinacotecaUfal) e no Facebook (www.facebook.com/pinacotecaufal), assim como nas redes sociais da Escola Onélia Campelo. O professor disponibilizou o roteiro de estudos do projeto no site da Escola Web, plataforma da Secretaria de Educação de Alagoas, disponível em http://bit.ly/PinaUfalOnelia.