Gênero, raça e sexualidade são debatidos em livro de artigos de pesquisadores

Corpos em Aliança será lançado no próximo dia 25 no youtube
Por Ascom Ufal
07/08/2020 16h19 - Atualizado em 08/08/2020 às 13h07

Resultado de diversos colóquios discutindo gênero, raça e sexualidade, o livro Corpos em Aliança será lançado nos dias 25, 26 e 27 de agosto no canal do Youtube do CPDHIS, sendo uma atividade do Grupo de Estudos e Pesquisas em História, Gênero e Sexualidade (GEPHGS) da Universidade Federal de Alagoas. O livro foi produzido durante o 2º Colóquio sobre Gênero, Raça e Sexualidade, realizado em 2019, na Ufal.

A edição tem o apoio do CNPq e pode ser baixada gratuitamente no link abaixo. Organizado pelos professores Ana Claudia Aymoré e Elias Veras, do Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes (ICHCA), o livro é composto de artigos de pesquisadores de diversas áreas e instituições de ensino e pesquisa do Brasil.

Para a professora Cláudia Aymoré a participação de vários autores contribui de forma significativa para a ampliação e atualização dos debates sobre questões de gênero, raça e sexualidade. “Temos aqui, em tradução pioneira e inédita para o português brasileiro, o artigo de Kimberlé Crenshaw Mapeando as margens, obra fundamental na introdução e desenvolvimento da teoria interseccional, que estabelece as pontes entre as categorias de gênero, raça, classe e sexualidade, e discute os modos como identidades sociais minoritárias sobrepostas são oprimidas ou marginalizadas pelas estruturas de poder vigentes”, explica. 

Já para o professor Elias Veras, o gênero, a raça e a sexualidade estruturam as relações sociais historicamente. “O entendimento que cada sociedade tem desses marcadores sociais da diferença condicionam posições (políticas, econômicas, culturais, subjetivas) de sujeito, determinantes, inclusive, para a inteligibilidade do humano. Problematizá-los, recorrendo a uma abordagem Interdisciplinar e interseccional, é fundamental para pensar e transformar as desigualdades sociais contemporâneas, alicerçadas sob o racismo, o sexismo e a LGBTfobia”, afirma.

A publicação, de caráter multidisciplinar, possui afinidade com as pesquisas de diversas áreas do conhecimento: história, letras, sociologia, antropologia, filosofia, educação, serviço social, e outras. O título, “corpos em aliança", foi inspirado em um livro de Judith Butler, filósofa americana. Para o professor Elias Veras, o debate deve continuar. “A universidade não pode prescindir desse debate acadêmico e político de crítica à branquitude e à cisheteronormatividade como regimes de poder produtores dessas mesmas desigualdades”, conclui.