Minha História na Ufal: Aurinete e sua trajetória de desafios e superações

Servidora relembra alguns momentos marcantes de sua passagem pela Ufal
Por Janaina Alves – relações públicas
11/11/2020 15h10 - Atualizado em 13/11/2020 às 14h47
context/imageCaption

Aurinete Pimentel, quase 38 anos de serviços prestados à Ufal e à sociedade

Um encontro que durou quase 38 anos. Esse foi o tempo em que Aurinete Pimentel esteve dedicada à Ufal. A portaria nº 891, de 16 de outubro de 2020, emitida pelo Gabinete do Reitor, encerrou uma trajetória marcada por contribuições em diferentes setores da Universidade, como ela mesma descreve ao relembrar momentos marcantes dessa jornada.

Formada em Serviço Social, com especialização em Planejamento e Administração de Recursos Humanos, ambos pela Ufal, Aurinete dedicou boa parte de seu tempo ao pilar da pesquisa na Ufal, tendo atuado na Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (Propep), seu último local de trabalho antes da aposentadoria. Lá desempenhou diferentes funções nas coordenações de Cooperação Internacional e de Pós-graduação, na emissão de pareceres dos projetos dos cursos especialização (lato sensu) e dos títulos de Incentivo à Qualificação.

Mas não foi apenas a essa área que ela se dedicou. Houve também passagens pela Pró-reitoria Estudantil, em que atuou na área de assistência ao estudante; além do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde (ICBS), durante a implantação do curso de mestrado em Ciências da Saúde, onde trabalhou por três anos.

Sempre incansável na busca por conhecer e participar das decisões da Universidade, Aurinete foi eleita por duas vezes representante Técnico-administrativo do Conselho Universitário (Consuni). “Nessa condição, participei do Conselho Deliberativo da Fundepes, participei como representante da Comissão de Pessoal Permanente Técnico-administrativo (CPPTA), além da Comissão Permanente de Avaliação (CPA)”, relembrou.

Desafios e superações ao longo dos anos

A servidora se recorda dos desafios que precisou enfrentar em sua trajetória de trabalho e destaca que o relacionamento interpessoal foi aquele que mais enriqueceu seu aprendizado pessoal e profissional. “Para enfrentar cada desafio, sempre tracei estratégias como: identificar e entender as dificuldades, estudar sobre os assuntos e buscar ajuda de pessoas com experiência nas áreas distintas para dialogar e encontrar a solução. Quanto às relações interpessoais, sempre mantive respeito, ética, diálogo, sinceridade e firmeza”, afirmou.

Outros momentos marcantes e não menos desafiadores também fizeram parte da história de Aurinete na instituição, como por exemplo, ter feito parte do grupo voluntário que tratou dos precatórios referentes às Unidades de Referência de Preço (URPs), um mecanismo de correção salarial criado para repor perdas inflacionárias dos salários dos servidores.

“Foi um trabalho exaustivo, que exigiu, durante meses, dedicação de dias, noites e até madrugadas para dar conta do volume de trabalho e da urgência que os processos demandavam. Na época não tínhamos as tecnologias que temos hoje implantadas no DAP [Departamento de Administração de Pessoal]. As fichas financeiras dos servidores tiveram que ser retiradas das pastas uma a uma para serem xerocadas”, recordou.

As dificuldades, as barreiras e os conflitos com colegas também fizeram parte do processo, mas a servidora rememora que com seriedade, comprometimento, humildade, ética, segurança e responsabilidade conseguiu superar os obstáculos. “O trabalho foi gratificante. Aprendi muito e conquistei amizades”, confirmou.

Homenagem dos colegas e amigos

Uma história de tantos anos não poderia ser contada apenas por uma única perspectiva. Amigos e colegas de trabalho de Aurinete também registraram o carinho em forma de momentos marcantes que viveram ao lado dela.

Diana Monteiro, jornalista da Assessoria de Comunicação da Ufal, conta da sua admiração por Aurinete, mesmo não tendo sido colega de setor. “Ela sempre foi uma servidora comprometida com o trabalho e, por todos os setores que passou na Ufal, atuou com competência e responsabilidade. É uma servidora que soma em qualquer frente de trabalho, quer seja nas rotinas administrativas ou mesmo sindicais, desempenha com seriedade e competência”, afirmou.

A larga experiência da servidora na instituição ensejou importantes oportunidades de aprendizado, principalmente no que diz respeito à competência, ética e lealdade, atuando, acima de tudo com profissionalismo, conforme descreveu o servidor Walter Matias, coordenador de Pós-graduação da Propep e último chefe imediato de Aurinete na Ufal: “Aurinete deixa um legado de dedicação ao trabalho com competência e exercício de várias amizades realizadas no âmbito das contradições subjetivas, sem perder o respeito pelo outro como diferente”.

Para Iraildes Assunção, atual Pró-reitora da Propep, as características que se destacaram na convivência com Aurinete foram a simpatia, leveza e prestatividade. Mesmo com um contato presencial curto, em função do trabalho remoto exigido após a pandemia do coronavírus, foi possível, segundo Iraildes, observar a seriedade e a responsabilidade com que encarava suas atribuições. “A servidora para mim é um exemplo de dedicação e companheirismo”, concluiu.

No último sábado (7), Aurinete recebeu em sua casa a visita do reitor da Ufal, Josealdo Tonholo, do Pró-reitor de Gestão de Pessoas e do Trabalho, Wellington Pereira, e da Coordenadora da Assessoria de Comunicação, Simoneide Araújo, que prestaram uma homenagem pela dedicação ao trabalho e à Universidade ao longo de toda essa trajetória.

Nas palavras de Tonholo, a amizade e o carinho por Aurinete têm como pilares as inúmeras qualidades da servidora, que ele mesmo fez questão de elencar. “Uma profissional fantástica, dedicada, séria e competente. Uma pessoa maravilhosa, amiga, companheira! Atributos que me deixam orgulhoso de ser amigo dela. Sei que ela estará sempre nos acompanhando na Ufal, mesmo já aposentada! Esta Universidade é parte da vida dela e assim sempre será!”, declarou.