Conselho Consultivo do HU realiza primeira reunião

Instância busca democratizar as decisões do hospital e fortalecer a participação social
15/09/2016 às 08h31 - Atualizado em 05/10/2016 às 10h58
context/imageCaption

Primeira reunião do Conselho Consultivo do Hospital Universitário (HU), instância que conta com a representação de vários segmentos

Thâmara Gonzaga - jornalista

Servidores, representantes de unidades acadêmicas e de instituições da área da Saúde de Alagoas, além de entidades sindicais, participaram, na tarde desta quarta-feira (14), da primeira reunião do Conselho Consultivo do Hospital Universitário (HU), instância que conta com a representação de vários segmentos e busca fortalecer o papel da população na unidade hospitalar.

A reitora Valéria Correia participou do encontro e falou sobre a importância da implantação do conselho. “É com imensa satisfação que participo desse grande momento histórico, onde se democratiza o hospital e fortalece a participação social, seguindo os princípios de uma gestão participativa e transparente, por meio de um processo de escuta e de acompanhamento, envolvendo todos os servidores, os do Regime Jurídico e também da CLT”, afirmou.

Em sua fala, a gestora da Ufal parabenizou a iniciativa da equipe administrativa do HU de aproximar as unidades acadêmicas e reforçou a missão do hospital com ensino, pesquisa, extensão. “Reafirmo o nosso compromisso, enquanto administração pública, com as atividades do local e de torná-lo cada vez mais próximo da Universidade”.

Ao citar que cerca de 87% a 90% da população alagoana usa exclusivamente o Sistema Único de saúde (SUS), Valéria Correia ressaltou a importância da unidade hospitalar na assistência à saúde. “Os serviços do HU estão a serviço dessa parcela da população. Portanto, deve ser compromisso de todos os que fazem parte da instituição expandir e realizar um trabalho com qualidade”, afirmou a reitora. “Na próxima segunda-feira, estarei em Brasília com a superintendente Fátima Siliansky para participar de uma reunião no Ministério da Saúde e solicitar um novo aparelho para o Cacon [Centro de Oncologia] do HU. Faço questão de estar presente, pois o nosso interesse é melhorar os serviços de que tanto a população precisa”.

O vice-reitor José Vieira também esteve presente na abertura da reunião e defendeu a importância do Conselho Consultivo. “Esse momento representa um grande avanço na história do hospital. Com um passo de cada vez, respeitando os servidores que fazem parte do HU e as pessoas atendidas, é possível ter relações harmoniosas no trabalho e proporcionar um local de formação mais democrático, além de atender aqueles que tanto necessitam”.

A servidora do Hospital Universitário, Risonilda da Silva, que integra a comissão responsável pela sistematização e pelo regimento interno do Conselho Consultivo, explica que a implantação dessa instância representa uma grande conquista. “Desde a adesão da Ufal à Ebserh [Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares], esse conselho era pra ter sido implantado, mas isso não ocorreu. Agora, além da implantação, estamos adequando para que se torne um espaço de representação da saúde pública”, destaca. Ela ainda acrescenta que o conselho não delibera, mas, “por meio de suas posições políticas, pode atuar junto à Ebserh Nacional para resolver problemas do hospital”.

Balanço da atual gestão do HU

Entre os itens da pauta da primeira reunião do Conselho Consultivo, estava o balanço da atual gestão do Hospital Universitário, referente ao período de maio a agosto deste ano.

A superintendente Fátima Siliansky apresentou alguns dos principais problemas encontrados e as medidas que já foram adotadas para resolvê-los.

A gestora também falou sobre as iniciativas realizadas com o foco na valorização dos servidores e do trabalho realizado por eles. Reuniões semanais com os profissionais de cada setor e edital para capacitação foram algumas das ações efetivadas.

“Foram feitas, ainda, melhorias no serviço de ouvidoria, garantindo a confidencialidade, e revisão da contratualização”, disse Siliansky ao citar outras medidas adotadas pela gestão.

Para o próximo trimestre, a gestora apontou alguns desafios, como a necessidade de redesenhar o serviço de marcação de serviços, o acolhimento aos pacientes, a otimização dos processos de compras e contratos, além das obras no setor de ensino do hospital. “Temos também que lutar para a reposição do quadro de recursos humanos do HU. Contamos com o apoio dos conselheiros para superar essas dificuldades e ofertar um serviço de qualidade para a população”, salientou.