Laboratório de Fabricação Digital da Ufal agora integra Rede Mundial

Fab Lab tem trabalhado na produção de EPIs e face shields junto ao LCCV e participa do projeto do Instituto de Computação para produção de um ventilador pulmonar
Por Diana Monteiro - jornalista
12/06/2020 16h04 - Atualizado em 13/06/2020 às 10h37
context/imageCaption

Os avanços científicos alcançados pela Universidade Federal de Alagoas, marcam  mais uma  projeção internacional de destaque com a inserção oficial  do Fab Lab Ufal à Rede Mundial originada no Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT), nos Estados Unidos.  O Fab Lab é um laboratório de fabricação digital pertencente à Rede, espalhada em mais de 80 países, nos cinco continentes, totalizando atualmente 1.750 laboratórios. 

Pioneiro, nesse processo, o Fab Lab da Instituição alagoana é o primeiro do Estado de Alagoas e está inserido na estrutura do Laboratório de Estruturas e Materiais (Lema) do Centro de Tecnologia (CTEC). Foi inaugurado em 2019 como um legado da edição da SBPC 2018, sediada pela Ufal, mas seu projeto e ações já se desenvolviam há quatro anos, com o grupo fundador participando da produção de grandes eventos da universidade,  como o último Caiite e a oitava e nona edições da Bienal do Livro, por meio de atividades de extensão do Projeto Luminaturas (Proinart), da pró-reitoria dessa área, a Proex.  

Sob a coordenação da professora Ivvy Quintella o Fab Lab vem atualmente trabalhando nas ações de combate ao coronavírus, na produção de EPIs face shields em parceria com o LCCV (Laboratório de Computação Científica  e Visualização) e também apoiando a produção do ventilador pulmonar Ufal, com pesquisadores  do Instituto de Computação (IC).

Na rotina acadêmica, o Fab Lab dá suporte a disciplinas como Tecnologias de Fabricação Digital, Materiais de Construção e outras com conceito de aprendizagem ativa baseada em projetos e hands-on. “Na pesquisa, um destaque para a manufatura aditiva, em especial a impressão 3D em concreto, pesquisa de doutorado, Inovação na construção civil, com pesquisa em fabricação robótica de pavilhões temporários, projeto desenvolvido por meio do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic)”, destaca Ivvy. Arquiteta e urbanista, docente do CTEC, onde ministra as disciplinas Desenho Técnico e Tecnologias de Fabricação Digital. 

Para as ações,  o referenciado Laboratório da Ufal  conta, na equipe, com a parceria de Karoline Morais e Wellinsívio Santos, docentes do Centro de Tecnologia, além de outros pesquisadores do IC. Integram ainda a equipe o doutorando Eduardo Quintella Florêncio, que atua voluntariamente como coordenador técnico ( Fab Manager). Quatro  estudantes de Engenharia Civil participam como monitores voluntários (Fab Gurus) e auxiliam outros graduandos do curso na utilização do maquinário do laboratório, em disciplinas e workshops. Com a futura ampliação, pela ocupação do novo espaço, no prédio do NTA,  está previsto o aumento de maquinário e da equipe,  com a integração de mais professores e monitores. Nas atuais ações com o LCCV, relacionadas ao enfrentamento da pandemia, Ivvy diz que o Fab Manager e os Fabs Gurus participam do projeto liderado pelo professor Adeildo Ramos. 

Sobre a importância de o Fab Lab da Ufal começar  a fazer parte da Rede Mundial, a pesquisadora enfatiza que o laboratório passa a ser  reconhecido como um ponto focal de inovação para Alagoas, compartilhando projetos e ações com outros Fab Labs integrados à citada rede colaborativa global. “Isso pode gerar consideráveis benefícios acadêmicos devido ao seu potencial para viabilizar, por meio de seu ambiente, comunidade global mais equipamentos, cooperações internacionais de pesquisa em plataforma colaborativa, por meio de desenvolvimento de projetos em parceria com outros laboratórios de outros países. Quando nos mudarmos para o novo espaço,  passaremos à categoria full fab lab, ampliando a nossa capacidade de interação”, frisa.

Ciência e tecnologia

O primeiro laboratório Fab Lab surgiu em 2006 no Instituto Tecnológico de Massachussets e no Brasil em 2011, a partir do cadastramento  de fabricação digital do Grupo de Pesquisa Digifab da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

O espaço do Fab Lab é constituído por um conjunto de máquinas de comando numérico ( C.N.C) que permite a prototipagem rápida, a fabricação digital de objetos e o desenvolvimento de circuitos eletrônicos. O laboratório adota um maquinário de nível profissional, porém de baixo custo e de fácil operação, de modo a tornar-se acessível a todos os usuários. O set básico de máquinas de um fab lab full é composto por cinco equipamentos: impressora 3D, cortadora a laser, fresadora de precisão, cortadora de vinil e fresadora de grande porte. Também são necessários computadores, equipamentos de eletrônica e ferramentas. Pode-se dispor também de maquinário destinado a projetos que exijam grande precisão ou que demandem certa precisão de acesso, tais como um braço robótico, uma impressora 3D de maior precisão e a fresadora de grande formato.

O Fab Lab também disponibiliza um open day (dia aberto à comunidade), atualmente suspenso devido à  interrupção do semestre letivo por conta da pandemia. “A presença do Fab Lab na Universidade Federal de Alagoas democratiza o acesso às tecnologias de fabricação digital, possibilitando o desenvolvimento de pesquisas aplicadas na solução de problemas e questões locais. Mais uma contribuição da Ufal que abre perspectivas de inovação para Alagoas”, destacou Ivvy Quintella.