Estudante cega defende TCC no Campus Arapiraca

Angela é concluinte do curso de Pedagogia e apresentou sua experiência como professora
Por: Lenilda Luna - jornalista - 27/05/2019 às 15h26
context/imageCaption

Angela Lima relatou a experiência de ser uma professora cega ensinando para alunos com visão.

A vida acadêmica apresenta vários desafios para o estudante e alguns deles são quase um ritual de passagem. Primeiro, adaptar-se à fase de calouro, depois conseguir estabelecer uma rotina de estudos, principalmente para os que trabalham e estudam, por fim, chega aquele momento em que é preciso apresentar um trabalho final para conquistar a aprovação e o grau de bacharelado ou licenciatura. Para qualquer estudante, esses momentos causam tensão, agora, imagine se você tem que superar essas etapas enfrentando algum tipo de deficiência física? Dá então para ter uma noção de como foi gratificante para a estudante de Pedagogia do Campus Arapiraca, Angela de Almeida Lima, ter sido a primeira estudante cega a defender o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), no dia 20 de maio, e conquistar a aprovação com nota 10!

Os professores e colegas também comemoraram o exemplo de superação. O trabalho é intitulado O Brincar Livre e a Inclusão: a perspectiva de uma professora cega com alunos videntes. O estudo foi orientado pelo professor Rafael Belo, mestre em Educação, e teve como referencial metodológico a pesquisa (auto)biográfica. A banca foi composta pelas professoras Maria Dolores Fortes Alves e Renata Maynart, doutoras em Educação e docentes do Centro de Educação (Cedu). “A defesa deste trabalho representa uma grande vitória para o curso de Pedagogia, pois apesar de toda dificuldade institucional, como a falta de uma impressora de braille e de um piso tátil durante a maior parte de sua formação, houve o fundamental envolvimento e compromisso do corpo docente em proporcionar acessibilidade”, destacou Rafael Belo.

O trabalho desenvolvido por Angela fez parte das atividades do Grupo de Pesquisa Práticas de Aprendizagens Inovadoras e Integradoras, coordenado pelo professor Rafael Belo. Na monografia, a estudante fez uma pesquisa, fundamentada em referências bibliográficas, sobre a experiência de ser uma professora cega ensinando para alunos com visão. “Os resultados apontados na pesquisa apontam para as possibilidades do brincar livre, ou seja, como essas crianças podem se desenvolver e aprender através da brincadeira livre, sobretudo no que se refere como uma professora cega pode trabalhar com crianças videntes, além de explicitar a forma como ocorreu sua inclusão na turma de educação infantil”, explicita a estudante no trabalho.

Na monografia, Angela relata a questão da inclusão, com todos os seus desafios pessoais e coletivos, desde que ela começou a estudar até se tornar uma professora. “Como professor universitário, ou seja, como formador de professores, considero que é uma obrigação e um compromisso ético-político de todo professor aceitar o enfrentamento do desafio da inclusão”, defende Rafael Belo. E ressalta: “Este enfrentamento passa por dois aspectos: a busca de conhecimentos e metodologias que garantam a acessibilidade e por uma mudança na atitude em relação ao outro e à educação, onde o respeito e a consideração empática tornam-se prioridade. Na Ufal, temos núcleos de pesquisa e estudo que tratam da inclusão, além de cursos de curta duração aberto para docentes e técnicos”.

Após a aprovação com nota máxima, Angela e os professores esperam que o trabalho seja impresso em Braile e fique disponível na biblioteca para que outras pessoas cegas possam ter acesso e se inspirar nessa experiência. Como disse Angela durante a apresentação do TCC, “para enxergar, muitas vezes não se precisa dos olhos, mas da visão do coração”.