Projeto inscreve alunas para incentivar meninas nas áreas de exatas

Aprovadas darão suporte na formação de estudantes do ensino básico
Por: Thamires Ribeiro – estagiária de Jornalismo - 04/02/2019 às 09h32 - Atualizado em 04/02/2019 às 09h32
context/imageCaption

Inscrições em projeto para meninas podem ser feitas até 12 de fevereiro

Estão abertas as inscrições para o processo seletivo do projeto Meninas nas Ciências Exatas, Engenharias e Computação. As estudantes interessadas devem preencher o Formulário de Inscrição disponível aqui até o dia 12 de fevereiro. Podem participar alunas dos cursos de Computação, Engenharias, Física, Matemática e Química.

O projeto é coordenado pela professora Xu Yang, do Instituto de Computação (IC), e tem como vice-coordenador o professor Krerley Irraciel, do Instituto de Matemática (IM).

A seleção será dividida em duas etapas: A 1ª é uma prova teórica, que acontece no dia 13 de fevereiro a partir das 9h. As estudantes que obtiverem nota menor que 7 serão automaticamente eliminadas; E a 2ª etapa consiste em análise do histórico escolar e currículo Lattes.

Os conteúdos cobrados na prova serão Matemática fundamental; Álgebra: expanda, simplifique e fatore uma expressão, resolva uma equação e a desigualdade; Geometria Analítica: encontre as equações da reta, círculo, inclinação e ponto médio; Funções básicas e domínio; e Trigonometria: identidade trigonométrica, valores exatos de trigonometria e gráfico de função trigonométrica.

As cópias do histórico escolar de graduação e do currículo Lattes deverão ser entregues no dia da prova teórica. O resultado final vai ser divulgado no dia 18 do mesmo mês.

Sobre a iniciativa

Por meio do projeto, alunas da educação básica recebem um treinamento de alto nível com aulas semanais nas áreas exatas, com ênfase em Matemática e Computação. O objetivo é tentar incentivar as estudantes no ingresso e permanência em carreiras científicas nas referidas áreas. As aprovadas auxiliarão nessas atividades com o acompanhamento de professores da Ufal.

“Há uma falta de incentivo implícita para entrada e manutenção das mulheres nas áreas de exatas em Alagoas. Uma das dificuldades é que o problema é tratado implicitamente pelos acadêmicos, como se não existisse e fosse natural. É necessário tomar ações efetivas para promover a igualdade e criar um ambiente mínimo que estimule a participação de meninas em atividades na área de exatas”, defende a organização do projeto.