Ufal encerra mais um ciclo com colação de grau social

Formandos receberam o diploma na última quarta-feira (18)
Por: Blenda Machado - estagiária de Jornalismo - 24/12/2019 às 10h15 - Atualizado em 26/12/2019 às 13h43
context/imageCaption

Formandos receberam o diploma na última quarta-feira (18). Foto: Blenda Machado

A Universidade Federal de Alagoas (Ufal) encerrou mais um ciclo de atividades com a realização da última Colação de Grau Social deste ano. Essa modalidade de colação foi instituída pela atual gestão da reitora Valéria Correia e é realizada com o apoio do cerimonial da Ufal e do Departamento de Registro e Controle Acadêmico (DRCA). 

A cerimônia foi realizada na última quarta-feira (18), no auditório da Reitoria, Campus A. C. Simões. A solenidade inicial foi presidida pelo vice-reitor José Vieira; os representantes das pró-reitorias de Pesquisa e pós-graduação (Propep), Leonardo Viana; e de Graduação (Prograd), Luciano Araújo; além da professora Margareth Pereira, de Serviço Social. 

Foram 60 novos formados pela Ufal nos cursos de Administração, Ciências da Computação, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Ciências Sociais, Jornalismo, Relações Públicas, Dança, Filosofia, Geografia, História, Letras (Inglês e Português), Matemática, Pedagogia, Psicologia, Química (Tecnologia e Industrial), Serviço Social e Sistemas de Informação. 

Os discursos destacaram a importância da formação e do apoio da família. O vice-reitor contou com emoção: ‘‘Eu gosto da colação social, porque ela é mais autêntica, espontânea e democrática’’. Vieira também comemorou a conquista da Ufal que alcança o IGC 4 e completou dizendo: ‘‘Estamos em um dos maiores indicadores do Brasil e não apenas para atender a pesquisa, mas alguns critérios fundamentais de ensino, pesquisa e extensão’’. 

Durante a cerimônia, Yasmin Souza, formanda em Ciências Sociais, fez o juramento junto com os outros colegas. Ela contou sobre os desafios durante o curso. ‘‘Como sou aluna do interior, o maior desafio era a distância. Chegava a ser mais de duas horas de viagem, mas todo o desafio valeu a pena’’, ressaltou. 

A professora Margareth Pereira motivou os concluintes da Ufal: “Que este diploma sirva para vocês lembrarem sempre do esforço que vocês fizeram para chegar a essa vitória e que essa vitória mova vocês nessa nova etapa. E não esqueçam: a Universidade vai estar sempre de portas abertas para todos vocês’’. 

Formação com apoio da família 

Entrar em uma Universidade é um sonho e desafio para muitos que prestam o vestibular. Estudantes se preparam e dedicam anos de suas vidas escolares para o dia da prova, e a questão que isso gera ao teste é expectativa e ansiedade de entrar no curso almejado. Ao entrar, o estudante se depara com as adversidades e desafios que aparecem no percurso da trajetória. 

Felipe Miranda, formado em Jornalismo, lembrou os desafios que encarou para colar grau. ‘‘Estou na Ufal desde 2013, nesse período peguei algumas greves, vivi minha vida ‘redondinha’, tanto na área profissional quanto na acadêmica. Hoje é uma vitória! É uma fase que começa e me sinto privilegiado de ter finalizado o ensino superior na Federal’’, disse. 

Geovana Santana, agora formada em Relações Públicas pela Ufal, conta que entrou na Universidade pelo sistema de cotas: ‘‘Eu entrei na Universidade no mês de fevereiro de 2014. Me lembro o dia que cheguei aqui, apresentei a documentação e fui muito bem recebida’’. Diante dos obstáculos, Geovana sempre teve coragem e determinação para enfrentar, desde os 17 anos quando chegou de São Paulo para morar sozinha em Maceió. 

A formanda em Química pelo Campus Arapiraca, Fabiana dos Santos, emocionada, foi só gratidão. ‘‘Agradeço à Ufal pela oportunidade que tive durante todos esses anos nessa graduação, foi um grande sonho para mim e também dos meus pais de me ver formada’’, disse. 

O apoio da família é fundamental. Maria das Dores, mãe da Fabiana e artesã, contou as dificuldades que a filha teve para conquistar o diploma: “Agradecer a Deus por esse momento tão importante. Porque não foi fácil! Foi uma luta de sete anos, enfrentamos muitas dificuldades. Assim que ela entrou na Universidade, o pai dela teve que se operar e por isso não pode participar e auxiliar. Mas com o dinheiro do artesanato ajudou bastante, com passagem, xerox e livros’’, relembra e afirma: ‘’Acredito que minha filha vai ser uma grande profissional para poder contribuir na sociedade na área de química’’.   

O pai de Geovana, Ângelo de Souza, também veio prestigiar o momento da filha. ‘’Desde o início que ela é dedicada e determinada, veio de São Paulo para cá, saiu sozinha, não desistiu e hoje está conquistando o sonho dela. Ela está pronta, porque sempre foi guerreira’’, disse emocionado. 

Mercado de trabalho  

Com o diploma em mãos, chegou a hora da procura por uma oportunidade de emprego. Geovana Santana, conta a expectativa ao entrar no mercado de trabalho. ‘‘Eu tive a sorte de sair da Ufal com oportunidade de início de carreira certa. Passei no processo seletivo de Trainee em São Paulo. Dia 6 de janeiro já tenho que estar por lá. Então, tive que colar grau emergencialmente’’, adiantou. 

Sua colega de instituição, Nathalia Firmino, pensa em continuar se especializando e pretende fazer mestrado fora do Brasil. ‘‘Maceió, infelizmente, é muito restrito para Relações Públicas, porém isso faz com que nos impulsione e busque novidade fora do Estado’’, disse, afirmando que quer voltar para fortalecer o mercado local. Nathalia também contou sobre o aprendizado que teve na Ufal: ‘‘É uma escola muito especial, humana e educacional. Então, isso faz com que você cresça’’. 

O diploma muita das vezes não é suficiente. Para o profissional que deseja ganhar conhecimento na sua profissão deve continuar estudando sempre! O agora jornalista, Felipe Miranda, incentiva os jovens para que os concluintes desse ciclo não parem de estudar. “Agora temos que correr atrás de uma especialização para poder se firmar no mercado de trabalho”, sugere. 

Rayane Ferreira, formada em Ciências Biológicas, teve a oportunidade de participar de duas seleções de mestrado na Ufal: uma em Ciências da Saúde, no Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde (ICBS), e outra na área de Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina (Famed). “No momento, ainda não sei qual irei dar continuidade, mas o importante é que vou continuar a minha formação acadêmica, com mestrado e futuramente doutorado. Já que meu objetivo é voltar para a Universidade como professora”, planeja, compartilhando sonhos no dia que recebeu o diploma. A colação de grau da Ufal promove isso: todos os concluintes agora vão sonhar e planejar seus futuros.