Estudantes recebem aula de primeiros socorros em parceria com Paespe

Projeto Samu nas Escolas também alertou sobre trotes
Por: Alícia Silva - estudante de Jornalismo - 12/11/2018 às 10h09 - Atualizado em 12/11/2018 às 10h10
context/imageCaption

Alunos do Paespe em aula de primeiros socorros

Alunos do Programa de Apoio aos Estudantes das Escolas Públicas do Estado (Paespe) e Paespe Jr participaram, na última sexta-feira (9), de aula de primeiros socorros e esclareceram dúvidas sobre o assunto.

A atividade foi uma parceria com o projeto Samu nas Escolas, proposta de extensão da Ufal e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de Maceió. O intuito é ajudar os alunos a obter uma conduta adequada numa emergência, a exemplo um acidente com fratura exposta, asfixia por engasgo, desmaio ou outras ocorrências.

Os estudantes também foram conscientizados sobre as consequências dos trotes, onde 62% das ligações mensais que a central de telefonia da Samu recebe se referem à brincadeiras, atitude considerada crime. Os organizadores da atividade alertaram que os trotes prejudicam os serviços de urgência, uma vez que sobrecarregam o número de ligações e ocasionam o deslocamento de toda equipe para atender uma ocorrência que não existe, privando a quem realmente necessita ter o atendimento. 

 Sobre o Programa

 O Paespe foi criado em 1993, pelo professor Roberaldo Carvalho de Souza, tendo como berço de suas atividades o Centro de Tecnologia (Ctec) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Sua principal atuação é através dos projetos Paespe Júnior, voltado a alunos das 1ª e 2ª séries do ensino médio, e o Paespe, destinado aos alunos da 3ª série do ensino médio.

O Programa oferta aulas dos conteúdos cobrados pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e realiza atividades multidisciplinares como curso de informática, palestras e visitas técnicas, contribuindo para a inserção destes alunos em Instituições de Ensino Superior (IES). Também faz parte do Programa o curso de informática básica para jovens e adultos. O Paespe atende anualmente cerca de 200 alunos oriundos da rede pública de ensino. O objetivo do é buscar, por meio da formação interdisciplinar, a transformação e ascensão social de jovens em vulnerabilidade socioeconômica.