Portal do Governo Brasileiro

Pós-graduanda em Veterinária cria modelo alternativo para cirurgia em animais

Método premiado descarta a necessidade do uso de animais vivos para treinamento cirúrgico
Por: Eduardo Lira - estudante de Relações Públicas - 22/10/2018 às 18h00 - Atualizado em 25/10/2018 às 14h31
context/imageCaption

Registro de aula prática de técnica cirúrgica para ovariohisterectomia em cadela com uso de simulador

Durante a 5ª Semana de Medicina Veterinária promovida pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), no mês de setembro em Viçosa e Rio Largo, a estudante de mestrado, Evelynne Hildegard Marques de Melo, conquistou prêmio por excelência acadêmica após apresentar o primeiro modelo alternativo criado para o ensino técnico em cirurgias de orquiectomia (castração) na instituição.

Embora seja amplamente difundida em cursos de Medicina Veterinária por ser um serviço de alta procura, a técnica de orquiectomia (castração no macho) para treinamento acadêmico ainda é motivo de opiniões divergentes entre comunidade científica e defensores de direitos dos animais. 

Visando atender questões éticas, a estudante de pós-graduação enxergou na temática Inovação e Tecnologia à Medicina Veterinária a possibilidade de alinhar dois mundos em conflito. “O curso me estimulou a pensar e a ser inovadora em minhas tarefas de pesquisa e estágio, somei isso às limitações técnicas-operacionais da instituição e implicações éticas, buscando superá-las para a condução das atividades didáticas”, relata.

A ideia surgiu após Evelynne ter recebido, durante o estágio em docência, o convite de seu orientador, o professor Fernando Wiecheteck, para ministrar aulas ensinando tais técnicas em caninos e felinos para uma turma de 45 alunos. Evelynne conta que encontrou duas grandes responsabilidades na realização das aulas práticas: a primeira relacionada à aquisição de animais suficientes para o treinamento do total de alunos e a segunda sobre os danos cirúrgicos passíveis de ocorrer pelo aprendiz em cirurgia, como a hemorragia.

Para combater isso foi criado o simulador de fêmeas (cadela e gata) para treinamento de ovariohisterectomia e o simulador canino para treinamento da orquiectomia em machos. Embora exista na literatura modelos parecidos, o projeto se diferencia pela semelhança visual do animal no momento cirúrgico, a ilustração da placa acrílica é previamente programada fotografando um animal em cirurgia e posteriormente impressa em acrílico com a sobreposição de estruturas anatômicas.

O método criado proporciona aos estudantes alcançar destreza e habilidade cirúrgica manual, através de repetição das técnicas antes de ter acesso ao animal vivo, abrindo espaço para repetições, erros e aquisição de habilidade manual sem estresse. Evelynne garante que a viabilidade é um dos pontos fortes de seu projeto, pois os materiais que necessitam de reposição são de baixo custo e duradouras, como as placas de acrílicos que são fixas.

O professor Pierre Barnabé Escodro, um dos responsáveis por auxiliar a estudante, afirma que os modelos educacionais podem servir de inspiração para outras escolas por toda América Latina. Ele também acredita que a técnica pode ser usada em campanhas de atualização e formação de mão de obra em órgãos públicos, que necessitam melhor qualificação de seu médicos veterinários para esterilização de animais errantes e controle indireto de zoonoses, devido à sua importância para a saúde pública.